Vida Comum - 'Véios'

Vida Comum – Véios

Sim depois de um pouco de tempo, volto a escrever essa magnitude que é a nossa vida comum, para quem esta perdido na vela espacial da inteligência russa, não esta sabendo que o “mensalão” atacou o Brasil de uma maneira incrível, isso porque todos juram que nunca ouviram falar, mas parece desenho animado, assim que juram saem correndo que voce só vê a poeira do rapaz. Ainda dizem que não tem dinheiro no pais, claro estão todos nos bolsos das pessoas lindas do parlamento, na qual nem um mero mortal tem acesso, aquele Jefferson senta no mesmo banco desde que lembro da época que eu assistia Mara - Maravilha no SBT acho (para fica mais facial, na época que a Hebe usava vestidos no programa que a fazia parecem lâmpadas florescentes gigantes). Mas enfim nessa conversa de mensalão e CPI dos correios o povo do parlamento esta meio perdido, olha só a noticia que saiu no dia 22/06/2005.

Folha de São Paulo

“Salário mínimo sobe a R$ 536 na Câmara, mas votação é refeita “

O governo levou um susto na votação da medida provisória do salário mínimo na Câmara dos Deputados. O valor proposto pelo Executivo de R$ 300 foi elevado a R$ 536,28 em votação confusa, dirigida pelo presidente da Casa, Severino Cavalcanti (PP-PE).

O novo valor estava no texto de uma das emendas apresentadas à MP e aprovada em votação simbólica e valeria até maio de 2006. A oposição havia tentado anteriormente elevar o salário a R$ 310, mas foi derrotada pela base governista por 230 votos a 171, com uma abstenção.

Os deputados da oposição reconheceram que o valor era inviável e que o governo não teria como bancar o novo salário. "Se o valor fosse de R$ 340 até dava", disse o líder do PFL na Câmara, Rodrigo Maia (RJ). "Não há recursos orçamentários para pagar esse mínimo", afirmou José Carlos Aleluia (PFL-BA).

Um acordo entre a base e a oposição permitiu que a Câmara desrespeitasse o regimento da Casa e refizesse a votação da emenda. Na nova disputa, o governo conseguiu manter por 316 votos a 18, com seis abstenções, o salário mínimo em R$ 300. A matéria continua em votação na Câmara e só depois de aprovada segue para o Senado.

Aposto que depois alguém levantou ajudou o Severino a não Ter um ataque cardiaco e falou:

- Opa, disculpa e, falha nossa.


Salario.

Eu fico imaginando a terceira idade na era digital, tadinhos as vezes eles podem se perder na velocidade das informações, e ma informção sobre o próximo capitulo da novela da ‘veia’ pode ser falta para um casamento de tantos anos. Já vi copos voarem na minha direção quando pensei em chegar perto da tv enquanto minha avó assistia uma das novelas das 9, agora imagine em questão de salarios:

- Oia ‘véia’, o salario aumentou pra 500 reaus, to tao feliz que vou repetir a sua comida hoje.
Nisso primeiro se segue um tapa no pé do ouvi do ‘véio’ só pela citação sobre a saborosa janta da ‘véia’.
- Nossa ‘veio’ serio? Ieu vou pode compra mais revista das novela porque comprando só uma as vezes as coisas vem tudo confundida né.
- Não veia, agora nois vai poder fica mais em casa, e colocar TV a cabiu.
Nisso se segue outro tapa no pé do ouvido do ‘veio’ só porque falou errado.
- Mas pra que se ne TV a cabo não tem a globo, não tem a novela das 9.
- Mas veia vai fica uma imagem linda, como voce era , mais jovem lembra!?
Bom nem preciso resaltar o tapa. . .
- I veia oia só li errado, o povo la de brasilia, erram as conta, hihihi, não é nem 300 reaus.
TAPA. (acho que esse foi por ele Ter feito uma pobre mulher da terceira idade, sonhar alto, com mais telesenas no bolso.)
- Intao porque voce não leu isso direito desdo começo?
- Por que voce não para de falar veia...
TAPA.
- Veio burro
- Veia irritada

Exatamente ai começa a novela das 9 e todo mundo esquece os problemas, quando termina o veio não entendeu para variar nada, mas sabe que a oportunidade é ótima para fazer a reconciliação, dando a veia o seu lenço que ele carrega no bolso da época de Santos Dummont.

TAPA
- Ai, por que isso veia.
- Porque felicidade de pobre dura poco.


By Julio Moraes

Vida Comum – Conversa de sala.

Vida Comum

Pois é depois de tanto tempo, alguém aparece escrevendo sobre a vida comum, chega de manuais, de contos de livros e até mesmo de novela das 9 onde os protagonistas vivem sofrendo porque nunca chegão a um acordo, e quando chegam voce é quem chora porque a novela esta para a acabar.
Mas enfim na vida comum as coisas são mais excitante do que se parece, as vezes no banheiro uma virada brusca e voce cai sentado no chão, depois ri, ai lembra da vida e chora, ai pronto lá se foi a primeira aventura da vida. Esta vendo é muito simples.
As aventuras nos procuram não nos a ela, veremos vários capítulos. . ., não acho melhor chamar de vários fatos fictícios imaginativos de uma pessoa no decorrer de sua própria vida intima e pessoal, bem melhor né. Entao veremos varios vários fatos fictícios imaginativos de uma pessoa no decorrer de sua própria vida intima e pessoal, de experiencia de outros claro. . .

Conversa de Sala.

Entre os vários fatos fictícios imaginativos de uma pessoa no decorrer de sua própria vida intima e pessoal, podemos ressaltar muita coisa, como por exemplo o famoso termo “fazer sala”. Quem inventou eu não tenho a mínima idéia mas eu sei que gostaria de conhece-lo, para mostrar todo o estrago que fez, quando lembro das minhas Tias Elinha e Rita, lutando em uma batalha destemperadamente para conseguir o ultimo salgadinho da mesa de centro, que na verdade foi a verdadeira vitima de todo o caso E tudo isso porque o tal do mediador, tambem conhecido como “o faz sala” estava buscando uns sucos para elas. O criador então dessa técnica inimaginável para o homem de “fazer sala” não pensava que tambem deveríamos alimenta-las, então a partir daí me levo no ponto de que algum homem da caverna inventou isso para justamente guardar as pessoas em sua nova estante que tinha acabado de esculpir nas pedras, e como ele não tinha ninguém para mostrar ele teve a brilhante idéia de convidar parentes, mais íntimos claro para não sujar o novo carpete de mamute que ele acabara que matar, para mostrar como sua caverna esta mais organizada, com um osso aqui, outras peles ali, isso sem falar que qualquer homem das cavernas que se preze tem um martelo de gerações anteriores que servia tanto para amaciar uma carne quando para bater na cabeça de uma “fêmea”, veja bem o termo ‘correcto’ colocado, na verdade acho que esse rapaz nunca conseguia correr porque convenhamos, o criador de “fazer sala” nunca deve Ter visto se quer a luz do dia nos tempos das cavernas. Fico pensando se ele criou os programas televisivos da tarde, ai poderíamos dizer que ele quem começou tudo, só falo isso porque precisamos culpas alguém pelas novelas mexicanas não é mesmo. . .

- Mas e voce o que me conta... há antes de contar, esta confortável? Quer um café, suco, chá, há eu descobri um licor de banana ótimo.!? Não então tá!


by JulioMoraes

Brilhante Incompreendido.

'...ao mestre com carinho.'


Cabelos desgrenhados, língua de fora, roupas comidas por traças. Albert Einstein é, sem sombra de dúvida, um retrato fiel do cientista "louco" e ao mesmo tempo adorável. Tão imerso em suas teorias e com uma visão tão mais além do que todo o resto do mundo, que é de se imaginar o quão fascinante e revelador não deve ter sido desvendar mistérios que acabariam por influenciar praticamente todos os campos da humanidade.

Nascido em Ulm, sul da Alemanha, em 14 de março de 1879, Albert Einstein foi o primogênito de um engenheiro judeu e sua esposa. Influenciado pela mãe, o pequeno Einstein tomaria gosto pela música, em especial pelo violino. Foi estudar na Suíça quando a família mudou-se para a Itália e, em 1896, foi admitido na Escola Politécnica Federal da Suíça, em Zurique.

Rebelde e galanteador, Einstein conheceu ali a estudante sérvia de física Mileva Maric. Os dois pareciam almas gêmeas e - apesar da negativa de sua mãe -casaram-se em 1903. De posse de cidadania suíça e já formado, Einstein não conseguia achar emprego como professor de física e matemática e por isso foi trabalhar em um escritório de patentes em Berna.

Por incrível que pareça, foi naquele escritório, durante suas horas vagas, que Einstein produziria a maior parte de seu trabalho, inclusive a teoria da relatividade, que quebraria conceitos newtonianos e seria uma das forças que virariam o século XX de ponta cabeça. A notoriedade viria logo em seguida e Einstein foi chamado para lecionar em universidades de Zurique, Praga e Berlim a partir de 1909. Cinco anos depois adotaria cidadania alemã e só a renunciaria em 1933, quando emigrou para os Estados Unidos, devido ás perseguições nazistas. A "física judia" de Einstein não era vista com bons olhos por Hitler (que mandou confiscar os bens do cientista), mas tampouco por Stalin (que a considerava "capitalista") ou pela Igreja Católica (para a qual era "ateísta").

Em 1919 seu casamento com Mileva Maric dissolveu-se. A união - que resultara em dois meninos - havia sido um tanto tempestuosa. Einstein acusava a esposa de um ciúme terrível, ao mesmo tempo em que dizia que era dona de uma feiúra incrível. Mileva por sua vez sentia-se abandonada e não conseguia dar ao "gênio" o espaço que ele precisava. Boatos contavam que Einstein não teria elaborado sua teoria da relatividade não fosse a ajuda de Mileva, mas a própria, mesmo depois da separação, jamais clamou seus direitos.

No mesmo ano, Einstein casou-se com uma prima já divorciada, Elsa Lowenthal. Diferentemente de Mileva, Elsa sabia dar a Einstein seu próprio território e não ousava reclamar das mulheres que o cercavam. Em 1921 foi agraciado com o Prêmio Nobel em Física.

Nos Estados Unidos, desde 1933, Einstein associou-se à Universidade de Princeton. Pacifista de carteirinha, criticava a exaltação da guerra em livros de história para crianças, se opunha ao serviço militar obrigatório e discordava da compra de armamentos pelos EUA como forma de evitar a guerra.

Seu pacifismo já havia sido criticado por colegas quando diante do avanço Nazista, Einstein sugeriu o uso de armas. Outro paradoxo em suas crenças contra a violência foi o fato de o cientista ter trabalhado no desenvolvimento da energia atômica. Ainda assim, enviou uma carta ao presidente Roosevelt no início de 1945, implorando que não usassem a bomba atômica contra o Japão. A carta foi encontrada fechada na mesa de Roosevelt, no dia de sua morte. Depois de Harry Truman ter dizimado os japoneses, Einstein teria dito: "Se eu soubesse que as pessoas fariam isto, eu teria virado um sapateiro".

Grande apoiador do movimento sionista - ao mesmo tempo em que se preocupava com a situação dos árabes na região - Einstein foi convidado por Ben Gurion para ser presidente do jovem estado de Israel. O cientista negou o posto, mas ajudou na fundação da Universidade Hebraica de Jerusalém.

Albert Einstein morreu em 18 de abril de 1955 em conseqüência de um ataque cardíaco. Temendo a curiosidade que seu túmulo poderia despertar, pediu para que suas cinzas fossem espalhadas. Seu cérebro, no entanto, foi "surrupiado" para que nós, simples mortais, pudéssemos entender de onde vinha a simplicidade e o gênio de Einstein, que até hoje não foram equiparados.

Por: Gabriela Sampaio - MSN Homens Classicos.

Para saber mais:
Einstein Archives Online

JN: DF Hoje.

...enquanto isso nos aredores do Planalto...





Imagem.




Apenas para apreciar ouvindo JAZZ.

Diferente.

Aleatoriamente

Desocupado procura o que fazer nos horas mais impróprias
Deixa de ser um menino comece a se levantar
E dizer ao mundo que o homem vai se preparar
Aleatoriamente não sabe ainda como ira se comportar

As maiores sugestões lhe parece as mais erradas possíveis
Cheio de duvidas procurando um caminho, se sente perdido
- Que droga de mundo é esse onde eu tenho que fazer isso sozinho
Aleatoriamente não tem muitas opções, mas por que só aquelas , por que não outras

Vida difícil, vida fácil, vida mais ou menos
Como ele iria saber um resumo de tudo e não sabia sobre tudo
- Mas então para que serve isso mesmo?
Mas olha o menino perdido, querendo virar homem sozinho, calma rapaz.

- Mas então para que procurar tanto se a vida é assim?
- Para que tentar tudo se nada será meu fim?
- Porque fazer o que não quero, porque arriscar tudo?
- Estou perdido, aleatoriamente muitas opções, mas no fim qual é a certa?

Espere ai, pare e pense o porque chegou até aqui então.
Pense em como será depois da escolha e da outra decisão
Se esqueceu delas que iram passar por ti
Se esqueceu do sabor, do amor, da paixão, do perdão.

Menino - homem, se perdeu por um momento porque não tinha guia
Rapaz vê se cresce direito, fazendo tudo ao contrario do que lhe foi feito
Assim será diferente , sim, diferente aleatoriamente.
Igualmente aleatoriamente diferente.

by JM

Ensinamentos.

Um grande poeta me ensinou
Como ser generoso e abil com as palavras
Um grande poeta me mostrou
Como ser criativo e as vezes maldoso

Um grande poeta me mostrou
Como a vida pode ser linda
Um grande poeta me ensinou
Tudo o que pode se pode ser na vida

Um grande poema me ensinou
O começa de uma prosa, é um termino tragico de uma letra.
Um grande poema me olhou
Profundamente na alma de quem tanto quer aprender.

Um estranho me mostrou
Como tudo quer se ganhar tem que merecer
Um estranho me ajudou a ver
Tudo aqueli que eu poderia ganhar ou até perder.

Mas enfim onde esta esse poeta
Onde esta este poema
Onde esta este estranho
Como posso começar a vida?

Sem ter mais esses sonhos. . .

by JM

aprendiz de um poeta.

De Manha escureço
De dia tardo
De tarde anoiteço
De noite Ardo



Vinicius de Moraes

Os versos mais tristes.

Puedo escribir los versos más tristes esta noche.

Escribir, por ejemplo: “La noche está estrellada,
y tiritan, azules, los astros, a lo lejos”.

El viento de la noche gira en el cielo y canta.

Puedo escribir los versos más tristes esta noche.
Yo la quise, y a veces, ella también me quiso.

En las noches como ésta la tuve entre mis brazos.
La besé tantas veces bajo el cielo infinito.

Ella me quiso, a veces yo también la quería.
Como no haber amado sus grandes ojos fijos.

Puedo escribir los versos más tristes esta noche.
Pensar que no la tengo. Sentir que la he perdido

Oír la noche inmensa, más inmensa sin ella.
Y el verso cae al alma como al pasto el rocío.

Qué importa que mi amor no pudiera guardarla.
La noche está estrellada y ella no está conmigo.

Eso es todo. A lo lejos alguien canta. A lo lejos.
Mi alma no se contenta con haberla perdido.

Como para acercarla mi mirada la busca.
Mi corazón la busca, y ella no está conmigo

La misma noche que hace blanquear los mismos árboles.
Nosotros, los de entonces, ya no somos los mismos.

Ya no la quiero, es cierto, pero cuánto la quise.
Mi voz buscaba el viento para tocar su oído.

De otro. Será de otro. Como antes de mis besos.
Su voz, su cuerpo claro. Sus ojos infinitos.

Ya no la quiero, es cierto, pero tal vez la quiero.
Es tan corto el amor, y es tan largo el olvido.

Porque en noches como ésta la tuve entre mis brazos,
mi alma no se contenta de haberla perdido.

Aunque ésta sea el último dolor que ella me causa,
y éstos los últimos versos que yo le escribo.

by Pablo Neruda

O Desespero da Piedade

Um dos melhores textos que ja li. . .

Elegia Desesperada

Meu Senhor, tende piedade dos que andam de bonde
E sonham no longo percurso com automóveis, apartamentos...
Mas tende piedade também dos que andam de automóvel
Quantos enfrentam a cidade movediça de sonâmbulos, na direção.


Tende piedade das pequenas famílias suburbanas
E em particular dos adolescentes que se embebedam de domingos
Mas tende mais piedade ainda de dois elegantes que passam
E sem saber inventam a doutrina do pão e da guilhotina


Tende muita piedade do mocinho franzino, três cruzes, poeta
Que só tem de seu as costeletas e a namorada pequenina
Mas tende mais piedade ainda do impávido forte colosso do esporte
E que se encaminha lutando, remando, nadando para a morte.


Tende imensa piedade dos músicos de cafés e de casas de chá
Que são virtuoses da própria tristeza e solidão
Mas tende piedade também dos que buscam o silêncio
E súbito se abate sobre eles uma ária da Tosca.


Não esqueçais também em vossa piedade os pobres que enriqueceram
E para quem o suicídio ainda é a mais doce solução
Mas tende realmente piedade dos ricos que empobreceram
E tornam-se heróicos e à santa pobreza dão um ar de grandeza.


Tende infinita piedade dos vendedores de passarinhos
Quem em suas alminhas claras deixam a lágrima e a incompreensão
E tende piedade também, menor embora, dos vendedores de balcão
Que amam as freguesas e saem de noite, quem sabe onde vão...


Tende piedade dos barbeiros em geral, e dos cabeleireiros
Que se efeminam por profissão mas são humildes nas suas carícias
Mas tende maior piedade ainda dos que cortam o cabelo:
Que espera, que angústia, que indigno, meu Deus!


Tende piedade dos sapateiros e caixeiros de sapataria
Quem lembram madalenas arrependidas pedindo piedade pelos sapatos
Mas lembrai-vos também dos que se calçam de novo
Nada pior que um sapato apertado, Senhor Deus.


Tende piedade dos homens úteis como os dentistas
Que sofrem de utilidade e vivem para fazer sofrer
Mas tente mais piedade dos veterinários e práticos de farmácia
Que muito eles gostariam de ser médicos, Senhor.


Tende piedade dos homens públicos e em particular dos políticos
Pela sua fala fácil, olhar brilhante e segurança dos gestos de mão
Mas tende mais piedade ainda dos seus criados, próximos e parentes
Fazei, Senhor, com que deles não saiam políticos também.


E no longo capítulo das mulheres, Senhor, tenha piedade das mulheres
Castigai minha alma, mas tende piedade das mulheres
Enlouquecei meu espírito, mas tende piedade das mulheres
Ulcerai minha carne, mas tende piedade das mulheres!


Tende piedade da moça feia que serve na vida
De casa, comida e roupa lavada da moça bonita
Mas tende mais piedade ainda da moça bonita
Que o homem molesta — que o homem não presta, não presta, meu Deus!


Tende piedade das moças pequenas das ruas transversais
Que de apoio na vida só têm Santa Janela da Consolação
E sonham exaltadas nos quartos humildes
Os olhos perdidos e o seio na mão.


Tende piedade da mulher no primeiro coito
Onde se cria a primeira alegria da Criação
E onde se consuma a tragédia dos anjos
E onde a morte encontra a vida em desintegração.


Tende piedade da mulher no instante do parto
Onde ela é como a água explodindo em convulsão
Onde ela é como a terra vomitando cólera
Onde ela é como a lua parindo desilusão.


Tende piedade das mulheres chamadas desquitadas
Porque nelas se refaz misteriosamente a virgindade
Mas tende piedade também das mulheres casadas
Que se sacrificam e se simplificam a troco de nada.


Tende piedade, Senhor, das mulheres chamadas vagabundas
Que são desgraçadas e são exploradas e são infecundas
Mas que vendem barato muito instante de esquecimento
E em paga o homem mata com a navalha, com o fogo, com o veneno.


Tende piedade, Senhor, das primeiras namoradas
De corpo hermético e coração patético
Que saem à rua felizes mas que sempre entram desgraçadas
Que se crêem vestidas mas que em verdade vivem nuas.


Tende piedade, Senhor, de todas as mulheres
Que ninguém mais merece tanto amor e amizade
Que ninguém mais deseja tanto poesia e sinceridade
Que ninguém mais precisa tanto alegria e serenidade.


Tende infinita piedade delas, Senhor, que são puras
Que são crianças e são trágicas e são belas
Que caminham ao sopro dos ventos e que pecam
E que têm a única emoção da vida nelas.


Tende piedade delas, Senhor, que uma me disse
Ter piedade de si mesma e da sua louca mocidade
E outra, à simples emoção do amor piedoso
Delirava e se desfazia em gozos de amor de carne.


Tende piedade delas, Senhor, que dentro delas
A vida fere mais fundo e mais fecundo
E o sexo está nelas, e o mundo está nelas
E a loucura reside nesse mundo.


Tende piedade, Senhor, das santas mulheres
Dos meninos velhos, dos homens humilhados — sede enfim
Piedoso com todos, que tudo merece piedade
E se piedade vos sobrar, Senhor, tende piedade de mim!

Vinicius de Moraes