Brilhante Incompreendido.

'...ao mestre com carinho.'


Cabelos desgrenhados, língua de fora, roupas comidas por traças. Albert Einstein é, sem sombra de dúvida, um retrato fiel do cientista "louco" e ao mesmo tempo adorável. Tão imerso em suas teorias e com uma visão tão mais além do que todo o resto do mundo, que é de se imaginar o quão fascinante e revelador não deve ter sido desvendar mistérios que acabariam por influenciar praticamente todos os campos da humanidade.

Nascido em Ulm, sul da Alemanha, em 14 de março de 1879, Albert Einstein foi o primogênito de um engenheiro judeu e sua esposa. Influenciado pela mãe, o pequeno Einstein tomaria gosto pela música, em especial pelo violino. Foi estudar na Suíça quando a família mudou-se para a Itália e, em 1896, foi admitido na Escola Politécnica Federal da Suíça, em Zurique.

Rebelde e galanteador, Einstein conheceu ali a estudante sérvia de física Mileva Maric. Os dois pareciam almas gêmeas e - apesar da negativa de sua mãe -casaram-se em 1903. De posse de cidadania suíça e já formado, Einstein não conseguia achar emprego como professor de física e matemática e por isso foi trabalhar em um escritório de patentes em Berna.

Por incrível que pareça, foi naquele escritório, durante suas horas vagas, que Einstein produziria a maior parte de seu trabalho, inclusive a teoria da relatividade, que quebraria conceitos newtonianos e seria uma das forças que virariam o século XX de ponta cabeça. A notoriedade viria logo em seguida e Einstein foi chamado para lecionar em universidades de Zurique, Praga e Berlim a partir de 1909. Cinco anos depois adotaria cidadania alemã e só a renunciaria em 1933, quando emigrou para os Estados Unidos, devido ás perseguições nazistas. A "física judia" de Einstein não era vista com bons olhos por Hitler (que mandou confiscar os bens do cientista), mas tampouco por Stalin (que a considerava "capitalista") ou pela Igreja Católica (para a qual era "ateísta").

Em 1919 seu casamento com Mileva Maric dissolveu-se. A união - que resultara em dois meninos - havia sido um tanto tempestuosa. Einstein acusava a esposa de um ciúme terrível, ao mesmo tempo em que dizia que era dona de uma feiúra incrível. Mileva por sua vez sentia-se abandonada e não conseguia dar ao "gênio" o espaço que ele precisava. Boatos contavam que Einstein não teria elaborado sua teoria da relatividade não fosse a ajuda de Mileva, mas a própria, mesmo depois da separação, jamais clamou seus direitos.

No mesmo ano, Einstein casou-se com uma prima já divorciada, Elsa Lowenthal. Diferentemente de Mileva, Elsa sabia dar a Einstein seu próprio território e não ousava reclamar das mulheres que o cercavam. Em 1921 foi agraciado com o Prêmio Nobel em Física.

Nos Estados Unidos, desde 1933, Einstein associou-se à Universidade de Princeton. Pacifista de carteirinha, criticava a exaltação da guerra em livros de história para crianças, se opunha ao serviço militar obrigatório e discordava da compra de armamentos pelos EUA como forma de evitar a guerra.

Seu pacifismo já havia sido criticado por colegas quando diante do avanço Nazista, Einstein sugeriu o uso de armas. Outro paradoxo em suas crenças contra a violência foi o fato de o cientista ter trabalhado no desenvolvimento da energia atômica. Ainda assim, enviou uma carta ao presidente Roosevelt no início de 1945, implorando que não usassem a bomba atômica contra o Japão. A carta foi encontrada fechada na mesa de Roosevelt, no dia de sua morte. Depois de Harry Truman ter dizimado os japoneses, Einstein teria dito: "Se eu soubesse que as pessoas fariam isto, eu teria virado um sapateiro".

Grande apoiador do movimento sionista - ao mesmo tempo em que se preocupava com a situação dos árabes na região - Einstein foi convidado por Ben Gurion para ser presidente do jovem estado de Israel. O cientista negou o posto, mas ajudou na fundação da Universidade Hebraica de Jerusalém.

Albert Einstein morreu em 18 de abril de 1955 em conseqüência de um ataque cardíaco. Temendo a curiosidade que seu túmulo poderia despertar, pediu para que suas cinzas fossem espalhadas. Seu cérebro, no entanto, foi "surrupiado" para que nós, simples mortais, pudéssemos entender de onde vinha a simplicidade e o gênio de Einstein, que até hoje não foram equiparados.

Por: Gabriela Sampaio - MSN Homens Classicos.

Para saber mais:
Einstein Archives Online

Nenhum comentário:

Postar um comentário