Nokia Trends 2005

A Nokia promove no próximo dia 24 de setembro o Nokia Trends 2005. O evento será o primeiro do gênero a acontecer simultaneamente nas duas maiores cidades do país - São Paulo e Rio de Janeiro.

O Nokia Trends é o projeto que traz para o público brasileiro as principais tendências artísticas de todo o mundo, promovendo um intercâmbio cultural entre as vanguardas artísticas e culturais. Com esse projeto, a Nokia ajuda o homem a incorporar a tecnologia no seu dia-a-dia e utilizá-la como ferramenta de expressão artística. O Nokia Trends foi concebido baseado na arte multimídia e na música, e foi criado para estimular as novas formas de disseminação e consumo dessa cultura através de meios eletrônicos, não só tradicionais, mas sobretudo os móveis.

No ano de 2004 foi investido no Nokia Trends em toda América Latina algo em torno de US$ 10 milhões. Neste ano a Nokia pretende investir cifras ainda maiores neste conceito de marketing criado no Brasil e que está sendo exportado para outros países da região.

No Nokia Trends 2005 as cidades onde os eventos acontecem estarão conectadas em tempo real via satélite, transmitindo ao vivo entre si os conteúdos gerados de seus eventos uma para a outra. Ou seja, as pessoas que estarão em São Paulo poderão assistir as performances realizadas no Rio de Janeiro em tempo real, e vice-versa. Segundo Anderson Ramos, diretor de marketing da Nokia, "O Nokia Trends é muito mais que um festival, pois além de divulgar as novas tendências em música e arte multimídia, possibilita a fusão com o que há de mais moderno em tecnologia. No site do Nokia Trends, por exemplo, é possível baixar ringtones e papéis de parede de edições anteriores. A idéia é que possamos trabalhar com vanguarda, independentemente se esteja em tecnologia, música ou arte multimídia".

Uma das grandes novidades do Nokia Trends 2005 é que será dividido em três áreas distintas:

Nokia Trends Live

Local onde acontecerão as performances musicais ao vivo e também projeções de VJs especialmente desenvolvidas para o evento. O line-up é focado no equilíbrio entre o novo e o consagrado, priorizando os nomes que mais se destacaram nos últimos dois anos na cena musical, de acordo com o objetivo do Nokia Trends. "O Nokia Trends 2005 tem como objetivo aliar artistas já consagrados com outros que representam a vanguarda da música atual, que tenham tido destaque nos dois últimos anos. O line-up será montado de maneira que todas as atrações tenham uma ligação, trazendo unidade ao evento. Além disso, existe uma constante busca pelo inédito. Por questões contratuais esses nomes ainda não podem ser divulgados. O que podemos adiantar é que sempre surpreenderemos", conclui Allan Macintyre, gerente de marketing responsável pelo Nokia Trends. "Podemos confirmar dois nomes que estão em ascensão na cena eletrônica mundial: Ellen Allien e Carl Craig".

Carl Craig é um dos mais influentes produtores de música eletrônica no mundo. Da segunda geração do tecno de Detroit, berço desse estilo musical, Carl Craig incorpora em seus sets elementos de jazz, soul e house, entre outros estilos musicais. Será sua primeira apresentação no Brasil. A DJ alemã Ellen Allien, da cena de Berlim, é proprietária do selo BPitch Control, e é considerada umas das artistas de vanguarda no universo eletrônico, com um som que está entre o electro e o tecno.

Nokia Trends Connecting Lounge

Espaço que conectará as audiências das cidades participantes do evento através da apreciação e interação de obras de arte multimídia. Dentro dessa área funciona o Espaço "Life Goes Mobile", de conteúdo artístico multimídia, com obras criadas por alguns dos mais renomados mídia-artistas nacionais, com curadoria de Lucas Bambozzi. Essas obras utilizam aparelhos e acessórios Nokia, numa proposta que foca em projetos desenvolvidos especialmente para celulares, que envolvam o sistema de telefonia móvel, ou simplesmente façam uso da tecnologia de ponta oferecida pela Nokia.

Nokia Trends Virtual

Ambiente onde as pessoas poderão acompanhar, através de projeções e equipamentos de última geração, as performances musicais dos artistas e DJs da outra cidade, que estarão realizando suas performances simultaneamente. O investimento será considerável nesta área para que todos os pontos tecnológicos sejam cobertos de forma que as pessoas tenham a real sensação de estarem em um outro evento, mesmo que virtual. Com isso a Nokia também reforça sua missão que é a de conectar as pessoas através de tecnologia de ponta.

As festas de São Paulo e Rio de Janeiro estarão conectadas através do satélite Amazonas, que é um dos mais modernos disponíveis e o último a ter sido lançado no espaço, em setembro de 2004. Serão instaladas nos locais dos eventos unidades de transmissão e recepção móveis que enviarão os sinais diretamente para o espaço, não utilizando nenhum ponto de conexão na terra, com o objetivo de obter maior qualidade na geração e recepção dos sinais.

>> SP e RJ, duas festas uma experiencia inesquecivel <<

Lance Armstrong

"exemplos, são minha inspiraçao para continuar a lutar por outros. . ."

No futebol, é a Copa do Mundo. No ciclismo, a Volta da França. Nunca ninguém havia vencido a principal competição de ciclismo de estrada por seis vezes. Neste domingo, o norte-americano Lance Armstrong ousou chegar ao sétimo título da "Le Tour".

Mais do que o feito heróico, a data marca a despedida do já lendário ciclista das pistas. Aos 33 anos, ele havia afirmado, desde meados de março, que competiria na Volta da França apenas uma vez. "Mas não posso viver sem a Volta. Tenho muita curiosidade por saber o que vai acontecer em 2006", admitiu o heptacampeão, menos de 24 horas de seu último título.

Por si só, a conquista já é louvável. Mas a história de vida de Armstrong faz com que ela seja ainda mais espetacular. Velocista feroz, ele se tornou um dos campeões mundiais mais jovens da história (em 1993, antes de completar 22 anos) e número 1 do ranking mundial (em 1996).

Mas reclamava de dores, fortes dores. Exames constataram um câncer nos testículos, já se alastrando por pulmões e cérebro. A previsão médica de cura era de 50%. Em caso de sobrevivência, o ciclismo seria apenas um passado.

A luta de Armstrong passou a ser para viver. Foi aí que conquistou a sua vitória mais suada, após dolorosas sessões de quimioterapia. Pacientemente, voltou a treinar. Para se reabilitar da doença, treinou incontáveis horas, dias, meses. A velocidade virou resistência. Voltou a disputar a Volta em 1999, como azarão. E foi neste ano que iniciou o maior domínio da prova da história.

No ano passado, já havia se imortalizado com o inédito sexto título, feito que nenhum competidor havia realizado. O sétimo, homologado neste domingo, na verdade, foi vencido no dia 2 de julho, no primeiro dia de competições, com uma etapa contra o relógio entre as cidades francesas de Fromentine e Noirmoutier. A cada minuto, um ciclista saía para o percurso.

Nunca Armstrong havia chegado à Volta sem ter conquistado nenhum título no ano como agora. E minimizou o fato. "Eu não tinha a pressão de vencer como em 2004, quando eu podia bater um recorde. Agora, era um desafio contra mim mesmo."

Mas foi ali, na primeira etapa, que ele mostrou toda a sua força. Último a entrar na pista, viu logo na segunda, terceira pedalada, seu pé direito escapar do pedal. Perdeu tempo para reajustar seu corpo na bicicleta. Mesmo assim, alcançou e superou com extrema facilidade o alemão Jan Ullrich, campeão em 1997 e três vezes vice desde então.

Foi o segundo na classificação geral do dia, dois segundos atrás do compatriota David Zabriskie, e especialistas apostam que o erro nos instantes iniciais lhe custaram a vitória já na etapa de estréia. A tradicional "camisa amarela", dada ao primeiro colocado, veio logo na quarta etapa. E dali em diante, ele simplesmente dominou a prova com maestria para vencer de novo.

Neste domingo, repetiu uma cena já "comum" nos últimos anos. Da mesma forma triunfal, cruzou a linha de chegada na avenida Champs-Elysées, em Paris. O mau tempo fez com que os organizadores declarassem o americano o campeão da etapa antes do término do percurso na avenida mais charmosa da cidade. Mesmo assim, os ciclistas continuaram correndo. O vencedor da 21ª e derradeira prova foi o cazaque Alexander Vinokourov.

Após passar pelo Arco do Triunfo, Armstrong foi recepcionado por seus três filhos, Luke, e as gêmeas Grace e Isabelle, ambas de três anos, e vestindo camisas amarelas do líder como o pai, com o slogan "Vive le Tour, forever" ("Viva a Volta, para sempre").

Do céu ao inferno, Armstrong se despede da Volta no paraíso. "Mas isso não é uma comparação válida. Estamos falando de um esporte. Minha viagem ao paraíso será talvez mais fácil", disse, em tom de brincadeira, o rei do ciclismo mundial.

Mesmo admitindo que "não pode viver sem a Volta", a aposentadoria é definitiva. "Não sei o que vou fazer nesta época do ano em 2006, mas não tenho a intenção de continuar sendo uma figura pública, acho que necessito de privacidade", disse. "Não lamento o fim. Tive uma carreira incrível, com muita sorte, incluindo a bênção de competir por 13 anos como profissional. Mas tenho os pés no chão."

Se os planos para o futuro ainda são uma incógnita, Armstrong já sabe o que vai fazer na segunda-feira. "Quando acordar, ao lado dos meus filhos e da minha mulher [a cantora Sheryl Crow], vou com um grupo de amigos ao sul da França, passear na praia. Comeremos bem, beberemos um pouco de vinho e vamos apenas relaxar", afirmou.

"Meu período se encerrou", concluiu o ciclista, que deixa as pistas para se imortalizar na galeria dos principais atletas do esporte mundial. Mas antes, desabafou e rebateu os críticos, principalmente aqueles que o acusaram de doping. "Tenho pena de vocês, que não acreditam em milagres", disparou, para depois exaltar a Volta. "Foi uma corrida e tanto. Eu serei fã da Volta da França enquanto eu viver. E não há segredos, é um evento esportivo difícil e no qual se precisa trabalhar muito, mas muito mesmo, para vencer."

Mais sobre o assunto Lance Armstrong.

'Convite'

by Lya Luft

Não sou a areia
onde se desenha um par de asas
ou grades diante de uma janela.
Não sou apenas a pedra que rola
nas marés do mundo,
em cada praia renascendo outra.
Sou a orelha encostada na concha
da vida, sou construção e desmoronamento,
servo e senhor, e sou
mistério


A quatro mãos escrevemos este roteiro
para o palco de meu tempo:
o meu destino e eu.
Nem sempre estamos afinados,
nem sempre nos levamos
a sério.

Perfeição

"... da nossa idade, o nosso futuro, séra nossa visao da perfeição"


Vamos celebrar a estupidez humana
A estupidez de todas as nações
O meu país e sua corja de assassinos
Covardes, estupradores e ladrões
Vamos celebrar a estupidez do povo
Nossa polícia e televisão
Vamos celebrar nosso governo
E nosso Estado, que não é nação
Celebrar a juventude sem escola
As crianças mortas
Celebrar nossa desunião
Vamos celebrar Eros e Thanatos
Persephone e Hades
Vamos celebrar nossa tristeza
Vamos celebrar nossa vaidade.

Vamos comemorar como idiotas
A cada fevereiro e feriado
Todos os mortos nas estradas
Os mortos por falta de hospitais
Vamos celebrar nossa justiça
A ganância e a difamação
Vamos celebrar os preconceitos
O voto dos analfabetos
Comemorar a água podre
E todos os impostos
Queimadas, mentiras e seqüestros
Nosso castelo de cartas marcadas
O trabalho escravo
Nosso pequeno universo
Toda hipocrisia e toda afetação
Todo roubo e toda a indiferença
Vamos celebrar epidemias:
É a festa da torcida campeã.

Vamos celebrar a fome
Não ter a quem ouvir
Não se ter a quem amar
Vamos alimentar o que é maldade
Vamos machucar um coração
Vamos celebrar nossa bandeira
Nosso passado de absurdos gloriosos
Tudo o que é gratuito e feio
Tudo que é normal
Vamos cantar juntos o Hino Nacional
(A lágrima é verdadeira)
Vamos celebrar nossa saudade
E comemorar a nossa solidão.

Vamos festejar a inveja
A intolerância e a incompreensão
Vamos festejar a violência
E esquecer a nossa gente
Que trabalhou honestamente a vida inteira
E agora não tem mais direito a nada
Vamos celebrar a aberração
De toda a nossa falta de bom senso
Nosso descaso por educação
Vamos celebrar o horror
De tudo isso - com festa, velório e caixão
Está tudo morto e enterrado agora
Já que também podemos celebrar
A estupidez de quem cantou esta canção.

Venha, meu coração está com pressa
Quando a esperança está dispersa
Só a verdade me liberta
Chega de maldade e ilusão.

Venha, o amor tem sempre a porta aberta
E vem chegando a primavera -
Nosso futuro recomeça:
Venha, que o que vem é perfeição

Desconectado

É assim de depois de certas coisas que nos acontecem, nos fazem mudar de atitude, de maneiras. Desacreditamos em muitas coisas, e começamos acreditar em coisa que nao nos fazem bem. Mas em enfim se quer saber o que eu tenho, de o seu coração a alguem e veja o que acontece. . .

É preciso um amor, uma pessoa, para mudar o seu destino, seus pensamentos, sua vontade de viver intensamente ou viver abaixo do normal para apenas esperar que tudo aconteça e voce finalmente se ve na idade de nao poder fazer muita coisa e entao espera a sua hora.

Agora entendo algumas coisas depressao, amor, morte, sentimento, vontade, vida, pensamentos. . .

Bom, quando der um passo por aqui, espero que melhor do que hoje, e agora.

. . .