Sonho livre...ao ar.

A Viação Aérea Rio-Grandense (Varig) umas das três companhias aéreas com grande competividade no setor de transporte aéreo brasileiro, tendo diferentes ofertas de rotas internacionais, seguida pela TAM e GOL Transportes Aéreos . O início da Varig remonta a 7 de maio de 1927, durante encontro da Associação Comercial de Porto Alegre. Foi lá que Otto Ernst Meier, um imigrante alemão, assinou o certificado declarando que a Varig era uma companhia aérea, a primeira companhia aérea do Brasil

O primeiro avião da Varig foi um Dornier Do J Wal, apelidado de Atlântico, de nove passageiros, considerado um dos aviões mais modernos da época. Seu primeiro funcionário, Ruben Berta, mais tarde tornou-se o presidente da empresa e guiou a Varig para tempos de grande expansão, quando ela absorveu o Consórcio Real-Aerovias e herdou as linhas européias da Panair do Brasil, então a maior companhia aérea do país, fechada por decreto do governo militar. Ele deixou seu cargo quando faleceu, em 1966.

O primeiro vôo da Varig foi de Porto Alegre a Rio Grande, no mesmo estado, e parou em Pelotas.

No início operava principalmente no sul e sudeste do Brasil. Sua primeira rota internacional foi para Montevideo que iniciou operação em 5 de agosto de 1942. Os vôos transatlânticos começaram em Fevereiro de 1965 quando o governo militar resolveu desativar a Panair do Brasil. Em junho de 1975 assumiu o controle acionário da Cruzeiro do Sul que foi completamente integrada a Varig em janeiro de 1993.

A companhia aérea voa com vários tipos de aeronaves, como Boeing 737, Boeing 757, Boeing 767, Boeing 777 e MD-11. É membro da Star Alliance, e tem duas subsidiárias brasileiras: a Nordeste e a Rio-Sul. Em 2004, a Varig decidiu incorporar completamente as duas subsidiárias regionais (Nordeste e Rio-Sul) na companhia, que já estavam usando logotipos e pinturas bastante similares nas aeronaves

:::::::::: Crise

Há mais de quinze anos a empresa apresenta balanços financeiros em vermelho, além de ter mudado de comando mais de cinco vezes nos últimos seis anos.

Com dívidas estimadas em mais de 7 bilhões de reais, as dificuldades enfrentadas pela empresa são, supostamente, reflexo do congelamento das tarifas aéreas nas decadas de 80 e 90, complementadas por uma administração ineficiente.

No começo do mandato de Lula em 2003, o governo tentou promover uma fusão entre a Varig e a TAM, parte de um projeto para reduzir os custos operacionais de um setor que ainda sofria as consequências dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001. A cogitada fusão, no entanto, não acontece, e o prejuízo maior fica com a Varig, que perde a liderança do mercado de vôos domésticos para a TAM.

Em 22 de junho de 2005 a justiça brasileira deferiu o pedido de recuperação judicial protocolado em 17 de junho do mesmo ano pela Varig (a recuperação judicial é o instrumento que substituiu a concordata com a entrada em vigor da nova Lei de Falências em junho de 2005 no Brasil). Com essa decisão, a empresa teve seus bens protegidos de ações judiciais por 180 dias, mas dispôs de um prazo de 60 dias para apresentar um plano de viabilidade e de recuperação a seus credores. As dívidas da Varig, inscritas no balanço de 2004, chegavam a 5,7 bilhões de reais.

Em novembro de 2005 a TAP, em conjunção com investidores brasileiros, formalizam a compra das subsidiárias Varig Log e VEM, garantindo o pagamento de credores internacionais. No mês seguinte, a Fundação Rubem Berta (FRB) fecha um acordo para transferir para a Docas Investimentos 67% das ações ordinárias da FRBPar, proprietárias da Varig. A Justiça do Rio de Janeiro, no entanto, suspenda a operação, justificando que a troca de controle teria de passar primeiro pela aprovação dos credores. A FRB é afastada da gestão da Varig, enquanto os credores rejeitam a oferta da Docas Investimentos e aprovam um plano de reestruturação da companhia.

Por meio do plano de emergência - elaborado com a finalidade de sustentar o fluxo de caixa da empresa até meados de julho/agosto de 2006 - a Varig tenta conseguir mais prazo com os credores para quitar suas dívidas. Em abril de 2006 a Varig Log oferece 350 milhões de dólarres pela empresa, mas a proposta é recusada pelos credores. Uma nova oferta de 400 milhões é feita mas, sem uma definição da empresa, retirada no mês seguinte.

No dia 9 de maio uma nova assembléia dos credores define os termos de leilão da Varig, que poderá ser vendida integralmente (a Varig Operações, que cuida dos vôos nacionais e internacionais) ou separada (a Varig Regional, que cuida das operações domésticas). Os preços mínimos são, respectivamente, US$ 860 milhões e US$ 700 milhões.

Após outra proposta de compra feita pela Varig Log, uma nova assembléia foi realizada em 17 de junho de 2006. Os credores da classe 1 da empresa, formada pelos trabalhadores, aprovaram a oferta. Mas os da classe 2, que conjuga fundos de pensão e o Banco do Brasil, e da classe 3, reunindo empresas públicas e de leasing, rejeitaram a proposta. Foram mais de 20 votos contrários só na classe 3, a maior parte deles advindos de empresas estrangeiras. Este resultado inviabilizou a realização de um novo leilão da Varig, e como consequência a justiça pode vir a decretar a falência da empresa.

Em 19 de julho de 2006 a empresa foi vendida por US$ 24 milhões (R$ 52,3 milhõe no cambio da época), em leilão, para a VarigLog, que assumiu R$ 245 milhões em bilhetes emitidos e o passivo (milhas acumuladas) de R$ 70 milhões do Smiles. A VarigLog se comprometeu a emitir debêntures (títulos de dívida) de R$ 100 milhões, que podem ser convertidas em 10% de participação na nova empresa para funcionários e credores com garantias, como o Aerus, fundo de pensão dos empregados da empresa. A VarigLog foi a única empresa a participar do leilão. Segundo analistas, o risco de sucessão de dívidas foi o principal fator que afastou o interesse de outras empresas nos leilões da Varig. Um dos deveres do novo dono é garantir um fluxo de caixa anual de R$ 19,6 milhões usado para pagar os credores da "velha Varig" nos próximos 20 anos.

Algumas curiosidades:

- A Varig conquistou o título de melhor pintura áerea do mundo. Sua pintura consiste em duas cores: o azul e o branco, junto com sua famosa estrela no leme vertical.

- Varig foi uma das primeiras companhia aérea do Brasil, depois das empresas aéreas pioneiras da época de sua fundação Panair do Brasil e Serviços Aéreos Cruzeiro do Sul S.A.

- Os primeiros pilotos da Varig eram todos alemães

Agora minha opinião sobre o assunto é bem direcionado aos mais de 5,000 empregados demitidos, infelizmente otimos profissionais que não sobreviveram a crise, coloca o texto sem tomar lados ou partidos, e sem criticas ou observações, apenas para fato jornalistico mesmo, e tambem para darmos o nosso total apoio aos funcionario da VARIG que ficaram tantos anos em uma empresa na qual infelizmente nao sobreviveu (por assim dizer) aos dias atuais.

Minha pergunta é diferente dessa vez...

Você ja viajou pela VARIG?

foto por Judith Tomaz / 1000 Imagens

(palavras do autor ::
*Ode a um Mundo Novo*
Recusar a homogeneidadeDo pensamento...

Renascer num MultiUniverso
Como na experiência das bolhas de sabão...
Uma criança acredita nessa gramática
Fica em êxtase com a cor dos sonhos...
São fonemas Alquímicos...
metáforas de alegriaBrincam com o Sol na oratória da Luz
E desfazem-se no ar...
a Luz é um paradoxo
Não repousa...
Não se deixa apanhar...
é uma asserçãoA sua velocidade não sofre alterações...
mas deforma
O que limita a Terra e a sua trajectória geométrica
Obriga-a a mover-se de forma circular... não éUma forma visível...
é uma curvatura deformante
E a atracção da gravidade... o seu subproduto.
Neste Universo... (nascido de outro?)...
(...)E as teorias rudimentares...
Hoje é possível
Detectar Sinfonias na Vibração das ondas de
Uma Partitura Cósmica... e as notas musicais
São partilhas Subatómicas...
Electrões pontuais
Submetidos aos espremedores de Átomos.
É a Morte do Universo... AgonizanteNum "big freze" congelado...
QuandoDescer a temperatura ao zero total... nãoHaverá mais vida...
Só uma fuga para a frenteRumo a novas galáxias...
(...)São precisos "Portais Dimensionais" para que as
Sementes das flores entrem no Hiperespaço
Procurando a vertigem dos Corpos Celestes.
Mas na sombra não se vêem as aberturas E as flores
Preferem ficar em casa... Num espaço líquido...
TALVEZ CONGELADAS... PARA ABRIR NO ALVOR... DE UM NOVO MUNDO!!!


Judith Tomaz
*
Este trabalho é dedicadoa uma Pessoa muito Especial:
Ao Guia-Intérprete eTripulante da TAP: LUQUÉSIO MELO...
***** )

2 comentários:

  1. É meu amigo a nossa varig esta nas ultimas...
    é triste ver uma empresa brasileira de grande tradição fechar as portas...

    E agora quem vai cantar a musiquinha do natal:
    "Estrela Brasileira do Céu azul
    Iluminando de Norte a Sul..."

    ^_^

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito de ver aqui a minha foto, dedicada ao Amigo Luquésio.

    A Varig, faz a ligação entre os
    dois Países, que o coração beija!

    ResponderExcluir