Julio Moraes: "Eu leio piauí"

piauí

Piauí. Este é o nome da nova revista que chegou às bancas do País nesta segunda-feira. Por que Piauí? Bem, ninguém sabe ao certo. Talvez porque fale com brasileiros que gostam de ler, pessoas que buscam um texto por inteiro, com começo meio e fim. Textos que façam sentido, que não tenham de se adequar à ditadura dos espaços. Textos que falem de pessoas para pessoas. Os assuntos tratados na revista sempre partem da realidade, do cotidiano, algo concreto. Enfim, uma revista voltada para a reportagem.

Editada em um formato maior do que as demais revistas mensais, no formato da "New York Review of Books", justamente para acomodar os longos artigos, narrativas e reportagens. Os assuntos tratados por Piauí são atuais e instigam os leitores à reflexão. Uma revista para ser lida durante o mês, sem pressa, fruindo cada página. Não pense que essa é uma revista para chatos. Ao contrário, "Piauí" tem humor e sofisticação. Quadrinhos, contos, trechos de romances e poemas dividem as páginas com o jornalismo. E ainda quebra algumas regras: não tem editorial ou colunistas. Em resumo, este é o projeto do cineasta João Moreira Salles. ´O que não falta na imprensa brasileira são opiniões. Há colunistas de turfe a macroeconomia, passando por numismática e psicologia, sem falar dos editoriais. Nada contra. Só não queremos ser uma opinião a mais´, afirma o jornalista Mario Sergio Conti.

Pela ousadia temática e gráfica, "Piauí" lembra revistas como "Realidade" e "Senhor", dois títulos marcantes da década de 60. No entanto, como destacam os idealizadores, Piauí não quer e nem pretende ser uma reedição, assim como destacou João Moreira Salles: ´Sem querer sofismar, a inspiração vem de todas essas revistas e de nenhuma. É claro que tanto a Senhor quanto a Realidade são marcos importantes do jornalismo brasileiro, revistas que trouxeram novidades, que inovaram. A Realidade, por causa de suas matérias longas e suas coberturas ambiciosas; a Senhor, pelo time extraordinário de colaboradores e o grande cuidado com a qualidade do texto. Nesse sentido, tanto uma quanto a outra serve de inspiração.´ No entanto, destaca Moreira Salles, é desnecessário e até mesmo impossível repetir uma fórmula dos anos 60.

A "Piauí" quer ser uma revista variada, que une humor a bom jornalismo, que aposta suas fichas em histórias bem contadas, sejam elas quentes ou não. A nossa identidade virá do fato de não sermos alvo fixo, ou seja, de mudarmos bastante de número a número. A ausência de editorias e de seções obrigatórias ajuda nisso,´ observa Moreira Salles. "Piauí" não é uma revista de opinião, nem de cultura, nas palavras do jornalista Mario Sérgio Conti. De acordo com ele, a proposta editorial está focada na história de pessoas, de lugares, de viagens. ´Por relatos entenda-se reportagens, é claro, mas também diários, artigos com lembranças, histórias gráficas, trechos de livros inéditos.´

O projeto gráfico foi elaborado a partir do projeto editorial, tendo como base a idéia de uma revista para leitores. ´A edição deve ser agradável de ler: limpa, arejada, boa de segurar, de folhear, de levar para a cama´, diz Conti. Neste primeiro número, o destaque é o texto, com poucas imagens ou desenhos nas páginas. As imagens, mesmo que discretas, são pontuais. A ilustração da capa é assinada pelo desenhista Angeli, Alvim assina uma curiosa história gráfica baseada no filme O Sétimo Selo, de Ingmar Bergman, e Marcel Gotlib apresenta o quadrinho Hipopótamo. O fotógrafo Orlando Brito assina o ensaio fotográfico Vultos da República, que captam os vultos sombrios dos bastidores do poder em Brasília. Imagens que mostram o desespero da política.

Alguns textos são curiosos, como Bom-dia, meu Nome É Sheila, de Vanessa Barbara. A repórter descreve como é o dia-a-dia de pessoas que trabalham com telemarketing. ´O primeiro exercício de um curso de telemarketing é praticar o bom-dia. Há pelo menos quatro tipos de bom-dia: o tradicional, o belicoso, o sorridente e o de quem ganhou na loteria.´ Dá para imaginar? Além do treinamento e decoreba de scripts e roteiros. Danuza Leão faz o perfil do extravagante Guilherme Guimarães, o estilista das noivas. Guigui foi um sucesso na década de 60 e até hoje tem seu público fiel. Hoje vive em um apartamento no centro de São Paulo, cercado por bibelôs, tapetes de zebras e tantas outras coisas. GG não freqüenta restaurantes da moda, odeia futebol, entre outras peculiaridades.

"Piauí" tem horóscopo, mas como não tem nada em comum com outras publicações, sua previsão é inusitada. ´Peixes: pense bem nos seus livros favoritos, nas músicas que lhe dão vontade de ser um cantor e compositor capazes de suspender a respiração alheia com dois acordes e quatro versos (...)´

  • Super indicação - leia e me diga o que achou!?

2 comentários:

  1. Cara... que legal... deve ser uma revista muito boa mesmo... ainda ñ ouvi falar dela... mas me interessei sim... vlw!!!

    ResponderExcluir
  2. oi Julio!
    vc resenha muito bem sabia?
    eu já gosto da revista antes mesmo de lela por causa do nome!
    nasci em Teresina-Pi

    =T

    ResponderExcluir