Um ruido.

----------Incomunicável. Havia um ruído no ar, um cheiro de azedo. Os olhos ardiam, a boca estava seca. A vontade era de gritar, mas sabia que ninguém poderia ouvir. Estava encarcerado na minha própria existência. Era um retrato insosso da falta de dignidade. Nulidade de esperança e de vontade.

----------
Eis que uma brisa leve bateu no meu rosto e me fez sentir mais vivo. Dei as mãos para a felicidade e caminhei, absorto. Caminhei sem rumo, mas uma força inexplicável insistia em me levar, uma força repleta de beleza e de luz. Comecei a acreditar na mudança. Transformação. Lenta. Mas era realidade.

----------
Realidade. Destino. A essência estava no seu rosto, no seu sorriso singelo. Em sua força que impressionava. Palavras. Carinho. Perda. Inaceitável saber que poderia perdê-la. Medo. Precisava acreditar que eu tinha dado uma chance à felicidade.

----------
Agora ela está presente. O ruído cessou. Calma. Paz. Como é difícil perceber o mundo ao redor quando se ama. Ruído. Mas não ensurdecedor. Cheiro. Mas agora prazeroso. É sublime a sensação de estar vivo novamente.


Imagem da série de
Bruno Souto por
©1000imagens.com


Um comentário:

  1. Ain q legal, já escrevi coisas parecidas...gritos e talz.../o/

    saysgYGASYGyagshUAHSUhasuhUHAS...

    ResponderExcluir