Coisas de São Paulo; Meu Brasil.

Participando da blogagem coletiva ‘Coisas do Brasil’, fui impulsionado a passar horas pensando sobre minha cidade. São Paulo é basicamente um mundo.

Em São Paulo
Sinto-me perdido a três quarteirões da minha casa.
Sinto-me em casa.

Pensei bastante o quanto poderia falar e descrever o que já uma cidade naturalmente turística poderia indicar alguns lugares que poderia de chamar de meu. Durante anos li crônicas, historias e fatos sobre a cidade, cada esquina e casa antiga mostra uma historia de algum imigrante, alguém que fez diferença na cidade ou que ainda faz. As ruas tem nomes de heróis, políticos, estrelas de cinema, desenhos, escritores dentro vários outros. Nomeamos as praças com nomes de pessoas que fizeram a sua parte para construir esta cidade.

São Paulo, meu São Paulo,
Que saudade! Que cansaço dos cansados!

Sou paulistano, sinto que nasci no centro do mundo culturalmente falando claro, Todos que vem a cidade deixam sua historia de como era a vida, e o que a cidade trazia a seus sonhos. Sou um espectador do mundo, paulistanos tem manias e estilos, uns bons outros ruins, inventam necessidades e contos para continuarem vivendo, nascer em São Paulo não é mais glamoroso, viver nesta cidade exige muito da vida atual das necessidades de que todos que trabalham e vivem aqui se sentem responsáveis pelo que acontece ao todo país. Status de capital financeira, e principal porta para grandes investidores a cidade se perde em querer apenas ser algo na vida de todos em meio a necessidade de transformá-la em fonte de vida financeira ao país.

Paulicéia desvairada, paranóica, avariada,
corrompida, conservadora e empedernida.
Divertida, flamejante, pluriétnica,
sodomita, cosmopolita, cibernética.

Minha cidade é grande, é imponente, é triste, é cheia, solitária e companheira.

Quando pequeno morava em um bairro residencial, com ruas que misturavam arvores e casas pacatas de pessoas que viviam falando sobre política interna e a tão sonhada vida dos filhos no exterior. Não eram pessoas vazias, mas pessoas que lideraram o que temos hoje, grandes empresas, variados negócios, etc.

A pobreza se dissipa em São Paulo. Tão burguesa!
E tenho a sensação de que estou mergulhado numa cidade infinita.

Vovô costumava me dizer que eu morava ao lado do mundo e que eu poderia aceitar e conhecê-lo ou não, viver a infância ou a partir do momento que eu quiser visitar este mesmo mundo e conhecê-lo ao máximo. Refleti e decide.

Na Consolação, os meninos e as meninas
ouvem música pop inglesa produzida por computadores.
E dançam em ecstasy.

A capital mais respeitada do Brasil é meu playground, a trato como gostaria de ser tratado, com carinho, respeito, dignidade e faço com que seja um local na qual posso chamar de casa. Não vou dizer que 9 a cada 10 paulistanos não sonham ou sonharam em nascer em cidades pequenas, pacatas, tranqüilas e viver em paz. Hoje a busca torna-se outra, vem da necessidade em expor que estamos fortes para levarmos o país com a cidade a frente do mesmo.

São Paulo.
O céu submerso em prédios.
O céu poligonal.
Os restos.

Quando um pouco mais jovem, comecei minha vida acadêmica, e quem estuda em São Paulo sabe que não tem apenas um lugar para aprender, e que toda a historia do país e muitas de varias partes do mundo estão a disposição a partir de sua porta de casa. O que a teoria ensinava é que além de tudo o que você poderia aprender lendo, é sentindo cada momento passado da estória da cidade. Tenho orgulho de dizer que estive no mesmo lugar onde passeatas aconteceram e visitar locais onde meus antepassados utilizaram e até hoje funcionam com a mesma finalidade. Lembro até de minha primeira visita ao marco ZERO de São Paulo, elevando os braços fechando os olhos e sentindo o vento. Senti-me pela primeira vez diferente, parte da cidade.

O desejo de pobreza do que restou da esquerda;
O desejo de riqueza de quem vive nos cortiços.

Ela não é perfeita, tem muitos erros, tenta igualar-se a cidade que tem historias únicas. Mas entende que mantém a historia do mundo aqui. Primeira vez que andei de metro sozinho, passei a mão deslizando os dedos na linha que poderia me levar a todos os lugares da cidade, foi à primeira vez que senti uma biblioteca do mundo em minhas mãos. Visito os parques, os museus, faço os cursos, conheço pessoas que passam por aqui e algumas voltam outras não. Cidade grande tem esta mania, somos daqui mas raramente conhecemos pessoas que tão são daqui mesmo. Hoje tenho um amigo paulistano, e os outros vêem de outras cidades, ou moram aos arredores da cidade. Ser paulistano é diferente, somos poucos apesar de tudo o que cidade mostra em foto em milhares de pessoas São Paulo é feita por todos, pelo país e pelo resto do mundo.

Todos os dias adotamos e somos adotados.

Ao fazer este post coloco toda a minha visão de paulistano a cidade nos mostra variados caminhos e cada habitante nascido aqui terão a sua historia totalmente diferente, mais feliz ou mais triste, mais aqui ou mais ali.

Artistas e boêmios
De um e doutro lado

Para você perceber o conteúdo vasto que temos a disposição aos poucos anos de jovem já tinha feito a lista de lugares que visitará desde quando comecei a sair com amigos, e sozinho para conhecer minha cidade. Cada lugar me deu algo em troca, cada local me recebeu como filho de seu berço e me mostrou seus lados que só paulistano de todo dia conhece.

Avenida Paulista, Catedral da Sé, Estação da Luz, Largo do Arouche, Masp, Mosteiro de São Bento, Vale do Anhangabaú, Viaduto do Chá, Torre do Banespa, Acervo do Palácio dos Bandeirantes, Arquivo do Estado, Auditório Ibirapuera, Paço das Artes, Centro Cultural São Paulo, Centro Cultural Banco do Brasil, Cidade Universitária – USP, Escola Municipal de Astrofísica, Estação Pinacoteca, Fundação Maria Luisa e Oscar Americano, Instituto Butantan, Memorial da América Latina, Memorial do Imigrante, O Memoria dos Imigrantes, na Mooca, Museu Casa das Rosas, Museu Casa de Portinari, Museu da Aeronáutica, Museu da Casa Brasileira, Museu da Imagem e do Som de São Paulo – MIS, Museu da Imigração Japonesa, Museu da Língua Portuguesa, Museu de Arqueologia e Etnologia – MAE, Museu de Arte Contemporânea – MAC, Museu de Arte de São Paulo – MASP, Museu de Arte Moderna de São Paulo – MAM., Museu de Arte Sacra de São Paulo, Museu de Zoologia da USP, Museu do Café Brasileiro, Museu do Folclore, Museu do Instituto Butantan, Museu do Ipiranga, Museu do Relógio, Museu Lasar Segall, Museu Memória do Bixiga, Museu Padre Anchieta, Museu Paulista, Paço das Artes, Pateo do Collegio, Pinacoteca do Estado de São Paulo, Planetário do Ibirapuera, Planetário do Carmo, Sala São Paulo, Teatro Municipal de São Paulo, Teatro São Pedro, Teatro Municipal, Autódromo de Interlagos, Estádio do Morumbi, Estádio do Pacaembu. Parque da Mônica, Sambódromo do Anhembi, Zoológico de São Paulo, Cratera da Colônia, Horto Florestal, Instituto Florestal, Parque Alfredo Volpi, Parque da Aclimação, Parque da Juventude, Parque da Independência, Parque da Luz, Parque do Carmo, Parque do Ibirapuera, Parque Ecológico do Tiête, Parque Estadual do Jaraguá, Parque Trianon, Parque Villa-Lobos, Parque Zôo Sáfari, Represa de Guarapiranga, Brás, Rua 25 de Março, Rua Normandia, Rua Oscar Freire, Rua Santa Ifigênia, Orquestra Sinfônica Municipal, OSESP, Orquestra Experimental de Repertório,

São locais que começaram a fazer parte da minha vida, dentre outros variados, na qual poderia citar post a fora e muitos acontecimentos esporádicos a turistas e nativos. Está é São Paulo, diferente. Já visitei varias capitais do país e todas até um pouco mais bonita me mostraram que o Brasil é cheio de vida, mas apenas São Paulo me fixou olhares para tudo, é minha cidade berço, criou-me a seu estilo.

São Paulo, meu São Paulo.
São sempre brancos e ricos
os ocultistas defensores de seu gigantismo mórbido.
Os que lhe corroem as entranhas,
Os que lhe sugam a esperança.

Tenho uma segunda cidade que considero como minha segunda casa, Londres, oposto a São Paulo, é a cidade que me chama atenção pela compreensão a pessoas nascidas em grandes metrópoles e mostra o lado mais familiar da cidade, um lado tão lúdico quanto minha cidade natal.

Uma cidade opaca de aspecto cinzento
É o reflexo do excesso de cimento
Mesmo plantando muitos espigões
Ela nos remete a um mundo de paixões

Há finalizar um texto que nunca terá apenas este espaço, minha cidade é assim. Tenho orgulho de ser paulistano e sempre será minha cidade natal. Não me sinto diferente de pessoas que nascem em outros lugares, adoro minha cidade assim como todos os outros nascentes de suas respectivas, temos nossas culturas e nasci em uma delas que me deu a oportunidade de conhecer todas às outras.

Por muita gente bastante amada
Por outros tantos muito invejada
A cidade que só conhece o progresso
Detesta ouvir a palavra retrocesso

Assim como uma mãe e apesar de vários caminhos minha própria cidade mostra que mereço viver bem e tranqüilo em lugares mais calmos, mas quando chegar a hora o farei e com saudades lembrarei de todas essas épocas que me proporciona.

Minha cidade da garoa.

Em todo o post deixei pequenos trechos de vários poetas paulistanos. São anônimos, e se acaso escreveu algum deles me chame e vamos conversaremos sobre nossa pequena cidade.

Agora deixo aqui os links de nosso país nosso Brasil:

Saia Justa, Pensiere e Parole, Luz de Luma, Desabafo, Abrindo Janelas, L'absurdité de la vie, By Oscar Luiz, Flainando na web , Gente sem saúde, Aniz com canela, Cantinho da borboleta azul, Velhos rascunhos, Passagens e momentos, Colar de Contas, Todo seu: História & Cotidiano, Rubensblogger, Fugas e Devaneios, Na casa da vovó, Jesus Diogo, TK- Freire, Abraço de Deus, Blog do Ronald, Meu mundo e nada mais, Hippos, Leve & Solto, Aline Silva Dexheimer, Quem arrisca não petisca, Dy na Hoalanda, Rosa 147, Verde que te quero verde, Esculacho & Simpatia, O meu jeito de ser, Edson Marques, Prisma, Jeito Danny de ser, Blog do Aju, Assuntos etc, Lys no labirinto do seu universo desconexo, Luelena, Intimidade, Todo seu: História & Cotidiano, Infaces, Um caminho..., Maçã envenenada, Imperfeito, Loba , O olho, um jornal patriota e brincalhão, Oficina de gerência, Fazendo a diferença, Janelas do Zeca, Donna Chic, Ponto K, Neusinha Blog, Tânia Defensora , Chronicles & Tales, Quodores, Meu blog, Encanto, Copacabana Café, Florescer, Cecília Helena Poesias em PPS, A Lua e Eu, Ramos forest environment , Letras de morango, Blue Moon, A melhor novela de todos os tempos do último verão, Vida Blog, Palavras Intimistas, Polecos, pequenas opiniões , D-Mentes, Norte, Energia Eficiente, Olhos Pretos, Re-novidade, My blog, Blog do Lapate, Liga MC, Coisas do Sanduba, Blog do The Best, Fios diversos, Adriane Schroeder, Renatinha no blogger, Fester Blog, Tudo para todos sobre o nada, Borboletando, Rascunhos, retratos e contemplações... , Strange Little Girl, Mundo Afora, Palavra de Nanael, Chega mais, Educando por aí, Humor I Mente Vadia,Les Rêveurs, Pretensos colóquios, Menina Voadora, Coisas do Mato Grosso, Jardim de Letras, Espaço Mensaleiro, Baú de espantos, Você.

20 comentários:

  1. Obrigada, Julio, por nos fazer ver São Paulo através de seus olhos. Estive aí no mês passado, mas vi muito pouco.
    Obrigada por aderir à campanha!

    ResponderExcluir
  2. Oi Julio, seu texto fez com que eu me visse nos lugares. Sou paulistana, nasci na Zona Leste, mas estou em Porto Velho há 30 anos. Visito São Paulo nos finais de ano, nas férias, sou professora de Hist´roia com pós em História Regional (Amazônia). Amei seu post e adorei sua visita, volte sempre que quiser. Tenha um maravilhoso final de semana. Beijos

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito do texto rico em detalhes pincelado com as citações ..
    Tenho muita vontade de conhecer Sampa de pertinho ..
    Excelente post ..
    O meu é sobre .. Curitiba !!
    Abraço, té + !!

    ResponderExcluir
  4. Fiz um tour em são paulo, através de tuas palavras, que coisa mais gostosa! Como o Brasil é imenso em diversidade cultural. Se não descobrimos antes, a blogagem coletiva, está nos dando esta oportunidade. Obrigada pelo carinho no Jardim. Um abraço e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  5. Cara, ler toda esta explosão de alma por uma cidade cosmopolita como São Paulo é impressionante. Tão arraigado prazer exteriorizado acabou me contaminando principalmente pelo tempero poético que soubeste equilibrar ao longo do texto de pura e honrosa gamação. Seus conterrâenos vão ficar de babação.Fui ficando paulistano no decorrer da leitura.Parabéns. Convido-te para conhecer Niterói.Abraço

    ResponderExcluir
  6. Júlio, falou de São Paulo como se fala de uma pessoa, não uma pessoa qualquer, mas uma pessoa de alma boa que acolhe a todos. São Paulo é assim, acolhedora. Encerra várias tribos, várias etnias, várias culturas, vários brasis dentro desse nosso brasilzão! Quando fui visitar São Paulo a primeira vez, me disseram: Vai fazer um estágio. Se sobreviver em São Paulo, sobreviverá em qualquer lugar do mundo. Eu achei facílimo! Sou suspeita como disse lá na Tina porque ah!doro São Paulo. Ah!Dorei o texto! Ah!Doro uma pessoa muito especial que mora aí! Beijus

    ResponderExcluir
  7. Oi Julio,
    tbem adoro a nossa Sao Paulo...terra da garoa...terra boa, agora moro no interior de Sao Paulo,tao bom qto.
    Agora me custa crer que vc so tenha 23 aninhos, me pareceu alguem tao lucido e tao vivido, improprios pra essa idade...kkkkkk.
    Obrigada por sua visita.
    Bom final de semana.
    Bjussssssss

    ResponderExcluir
  8. Um texto que é o retrato de São Paulo. Bom.

    ResponderExcluir
  9. Muito legal conhecer São Paulo pelos olhos de seus poetas!
    Adorei!
    Abraços e até logo!

    ResponderExcluir
  10. São Paulo é um continente!
    Fez uma ótima abordagem daquilo que interessa e por isso está de parabéns. O fez de maneira poética e sem precisar de ilustrações pra tornar bacana.
    Certamente valeu a visita.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  11. Esta blogagem está nos mostrando que, além das característica de cada cidade, nos presenteia com textos com diferentes tipos de abordagem, como o seu...

    Valeu mesmo

    Um abraço

    ResponderExcluir
  12. Roberto pompeu de Toledo um dia disse que o Brasil é uma Belíndia, parte Bélgica, parte Índia. São Paulo é o melhor exemplo disso. Um lado vigoroso, rico, instruído, que dita as regras para o país seguir, e um lado pobre, miserável mesmo, à espera da grande chance. Achei acertadíssimo você dizer que São Paulo é uma mãe. É mãe que dá colo e castigo. Excelente post.

    ResponderExcluir
  13. Olá, Júlio!

    Conheci São Paulo ainda criança e faz tempo que nõ apareço. Para os nordestinos,é a cidade das oportunidades.
    É uma cidade que tem seus encantos e tristezas, como todas as outras, mas que cativa quem descobre a sua essência.

    Obrigada pela visita!

    Abraço, Mel

    ResponderExcluir
  14. Oi Júlio.

    Gostei muito do seu post e principalmente do comentário de seu avô. Ele tem razão ...

    Adoro São Paulo.

    Elvira

    ResponderExcluir
  15. Ola Julio

    Retribuindo sua visita,achei muito bem elaborada sua postagem,sou paulistano e não conhecia tanta diversidade na nossa cidade.

    Abç

    ResponderExcluir
  16. Júlio,

    parabéns!
    Parece que conseguiu "dar vida" a sua cidade!
    São Paulo... já faz um tempinho que não vou aí, deu saudade!
    Obrigada pela visita! Estou "linkando" você lá...
    Bom domingo.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  17. Gostei mto de 'conhecer' pelo menos a idéia do q é ser paulistano! Esta cidade em particular é um grande mistério pra mim. Acho minha cidade imensa (Fortaleza-CE) e dizem q SãoPaulo é 10x maior! Então, como posso conhecer tamanha megalópole!?
    Fico a cargo das pessoas q a vêem para me descrevê-la.. e assim posso percorrer suas várias partes

    Estou separando por regiões e estados os textos da blogagem coletiva.
    Depois aparece lá no > http://d--mentes.blogspot.com < para conhecer o blog
    das pessoas do seu estado ou cidade
    Ou conhecer mais sobre determinada região.

    O mundo está no Brasil!

    ResponderExcluir
  18. Um tanto atrasada, mas não podia deixar de agradecer e retribuir a sua visita e o seu comentário. Eu não conheço São Paulo, mas tenho tantos amigos blogueiros queridos que moram nesta cidade, que pretendo conhecê-la ainda neste ano.
    Seu post ficou excelente, parabéns!
    Beijos

    ResponderExcluir
  19. aH, VOU PEDINDO LICENÇA PORQUETRAGO NO PEIRO UMA ETERNA SAUDADE DESTACIDADE QUE APRENDI O MUNDO DESLUMBRANTE DAS CULTURAS, E DEIXO A MUSICA QUE ECOA NO MEU CORAÇÃO FEITA POR FRANSCICO DE ASSIS BEZERRA DE MENEZES E SILVIO CALDAS EM BARRETOS NOS IDOS 1966,
    PERFIL DE SAO PAULO,
    Aonde estão teus sobrados,
    De longos telhados,
    E teus lampiões?
    E os moços da academia,
    Na noite tão fria,
    Cantando canções?
    E sinhazinha delgada,
    Pisando a calçada,
    Na tarde vazia?

    O tempo tudo mudou,
    Mas não apagou,
    A tua poesia.

    Não mudou,
    Não se apagou,
    A tua sedução,
    A garoa,
    Cai atoa,
    Pra guardar,
    A tradição.

    São Paulo num só minuto,
    É o Brás, Tietê, viaduto,
    Barracas de flores,
    E a multidão.

    Os Pardais,
    Em madrigais,
    O sol rasgando a cerração,
    E a noite com seus pintores,
    Apagando, acendendo em cores,
    Teu nome, no meu coração...
    Teu nome, no meu coração


    CANTEI MUITO NAS SERESTAS COM DR BEZERRA E FILHOS CLAUDIA ,CHICO IZABEL, SAUDADES

    suellymarquêz das geraes

    ResponderExcluir