Você faz algo pela educação?

Se sua resposta foi sim, parabéns, porque segundo o ibope 63% da população, não faz nada.


A pesquisa Educar para Crescer, realizada nacionalmente pelo Ibope e divulgada na manhã de hoje (15 de setembro), em São Paulo, revela um dado alarmante: o brasileiro não chama para si a responsabilidade pela qualidade do ensino no país e tampouco participa ou se sente motivado a contribuir para sua melhoria. O estudo mostra que 63% da população afirma não fazer nada pela Educação e, para 68%, ela é de total responsabilidade dos governantes.


A pesquisa mostra que 70% dos brasileiros estão satisfeitos com a qualidade do ensino no país. Para Claudia Costin, ex-secretária de Cultura do Estado de S. Paulo e encarregada de apresentar a pesquisa, essa satisfação é fruto do desconhecimento da população em relação aos principais problemas da Educação. Afinal, quase 70% dos brasileiros não fazem idéia do que seu prefeito está fazendo pela Educação do município. E embora 69% apontem a Educação como um dos principais setores nos quais o governo deveria investir, só 1% considera as propostas de Educação dos políticos na hora de votar.


Os brasileiros também estão satisfeitos com a escola dos seus filhos, e dão nota 7 para os estabelecimentos de ensino, em média, avaliando-se a escola pública e privada. Apenas 9% deu nota inferior a 5. A população acha que nosso IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) é de 5,5. A estimativa é que essa média seja alcançada somente em 2017. A média atual é de 4,2.


Quase 90% da população brasileira coloca a Educação em 5º lugar na lista dos principais problemas do país, atrás de Segurança (com 30% das menções), Atuação dos Governantes (17%), Trabalho (13%) e Saúde (11%).


A pesquisa perguntou à população quais são os objetivos mais importantes para se obter Educação básica de boa qualidade. As alternativas mais apontadas foram: ensinar adequadamente as matérias (31%), nenhum (28%), oferecer perspectiva de realização profissional (24%), assegurar igualdade de oportunidade (19%) e formar cidadãos críticos e conscientes (18%).


Entre as medidas que deveriam ser tomadas pelos governantes para melhorar a educação pública, duas tiveram grande adesão dos respondentes: melhorar o salário (46%) e a capacitação dos professores (37%).


Pesquisa


Foram entrevistados 1000 homens e mulheres, de 16 a 69 anos, de todas as classes sociais e residentes de nove regiões metropolitanas do país: Salvador, Fortaleza, Recife, Distrito Federal, Curitiba, Porto Alegre, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo.

10 comentários:

  1. Oi Julio.
    Como Mateus (e meu pai Antonio), garanti primeiro os meus, no caso a minha herdeira Mariana Timm, que vai se formar no final do ano em jornalismo pela PUC-RS com o auxílio precioso do Pro-Uni, implantando no governo Lula, na gestão do ministro Tarso Genro. Educação é fundamental.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Querido, confesso que não faço nada pela educação. Aliás, até faço. Dou aulas particulares a quem está precisado, mas isso é muito pouco.Beijocas

    ResponderExcluir
  3. Na verdade, como professora, nem estou pensando em melhoria salarial. por aqui o que precisamos é de oportunidade para capacitação profissional e melhores condições de trabalho.
    Como a pergunta é se fizemos algo pela educação, respondo que a maioria de nós toma anti-depressivos para continuar trabalhando. É deprimente a situação em que nos encontramos.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Querido amigo,
    O que entristece é que professores se esforçam para educar e ensinar.Mas o problema social é muito grande, a família não está nem aí, joga para a escola toda a responsabilidade.As mães de hoje não educam os filhos, acham que a professora t~em que fazer milagrs.Só Deus!!!!!!

    ResponderExcluir
  5. Postei como Evelyn, mas quem comentou foi Sonia Regly.Estou em outro computador.

    ResponderExcluir
  6. Olá Júlio, fazer algo pela educação nos leva quase especificamente ao governo que constrói a escola e deve mantê-la em ótimas condições de atratibilidade, conjugando o bom professor com salário digno que o faça pensar apenas em aprender cada vez mais para melhor ensinar, laboratórios e oficinas supermontadas para manter a curiosidade do aluno e a facilidade para chegar à escola e lá permanecer envolto pelos esportes e o lúdico dentre outras.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  7. eu nao quero saber de educação...eu quero ir no show da madonnaaaaaaaaaaaaaaaaa!!
    aauhauahauhauahauhau

    to brincando. eu sou professora de informatica e artes, voluntaria ^^
    sempre que dá vou ajudar uns amigos daqui. nao da pra deixar meus amiguinhos sem aula pq o governo nao pagou professor.
    =)

    ResponderExcluir
  8. O resultado desta pesquisa seria completamente diferente se feita fora das metrópoles. Aí já começa o comodismo do nosso governo, porque não ir para o interior, o sertão nordestino, por exemplo? Enquanto ficar essa lenga-lenga pra lá e pra cá, o governo colocando a culpa na população e vice-versa, nada vai se resolver. Cada um deve assumir a sua obrigação.
    Júlio, tem meme pra você lá no luz!! ;) Beijus

    ResponderExcluir
  9. Deixei um meme pra vc, se puder e quiser, responde tá?
    Abraços!

    ResponderExcluir
  10. Júlio, enquanto a legislação não mudar, nada de novo irá ocorrer na educação. E se os pais não começarem a apoiar a escola e seus professores, e se também eles começarem a educar seus filhos e não deixar na mão dos outros esse papel, aí sim poderemos ver uma luz no fim do túnel.

    ResponderExcluir