Blog Action Day 08 - Pobreza

Começa a contagem regressiva para 17 de Outubro, Dia Mundial para a erradicação da pobreza.

Esta data representa uma excelente oportunidade para mobilizar a todos e todas parara que se manifestem contra a dura realidade da pobreza extrema. Assim, é organizado a nível internacional o evento "Stand Up and Speak Out", ao qual Portugal se associa.

Diariamente morrem 50 mil pessoas de pobreza extrema e a desigualdade entre os ricos e pobres não pára de aumentar. Aproximadamente metade da população mundial vive em situação de pobreza. Não podemos ficar indiferentes!

Em 2007, mais de 43 milhões de pessoas em todo o mundo levantaram-se, quebrando o recorde Mundial do Guiness. O Brasil contribuiu com mais esta iniciativa.

A realidade em nossa porta

O Brasil tem 14 milhões de jovens com renda familiar abaixo de meio-salário mínimo, o que significa 30% da população entre 15 e 29 anos. A análise é do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) sobre os dados da PNAD 2007, realizada pelo IBGE. Segundo o estudo, o Brasil conta com 50,2 milhões de jovens, o que representa 26,4% da população. Em 2050, segundo estimativas do Ipea, os jovens serão apenas 19% da população brasileira.

De acordo com o Ipea, 53,8% dos jovens brasileiros pertencem a famílias com renda domiciliar entre meio e dois salários mínimos. Já os 15,8% restantes viviam em famílias com renda maior que dois salários mínimos.

Emprego

Cerca de 4,6 milhões de jovens estão desempregados, segundo dados divulgados nesta terça-feira (14) pelo instituto. Em 2007, a taxa de desemprego juvenil era 2,9 vezes maior que o dos adultos: uma diferença de 14% para 4,8%. Em relação aos homens de 15 a 17 anos, a maior parte (54,7%) “só estuda”. Já entre a população masculina de 18 a 24 anos, a maior concentração está na categoria que “só trabalha” (56,3%). Ainda assim, 13,9% destes jovens não estuda nem trabalha.

Já em relação às mulheres, 65,9% das que possuem entre 15 e 17 anos “só estudam”. Entre as jovens de 18 e 24 anos, a maior concentração também está entre as que “estudam e trabalham” (36,3%). Apesar disso, é maior o número de mulheres nesta faixa etária que “nem estudam nem trabalham”: 32,1%.

Os dados do Instituto apontam, ainda, para uma maior formalização do emprego entre os jovens de 18 a 24 anos: entre 2006 e 2007, a porcentagem de empregados com carteira assinada nesta faixa etária passou de 40,7% para 43,9%. Entre os jovens de 25 a 29 anos, a elevação foi de 45,3% para 46,7%. Além disso, a taxa de empregos sem carteira assinada caiu de 29,5% para 27,9% entre os trabalhadores de 18 a 24 ano e de 19,5% para 18,6% entre aqueles que têm entre 25 e 29 anos.

A Realidade Mundial:





O "Levanta-te e Atua" é uma iniciativa global que apela a que nos dias 17 e 19 de Outubro as pessoas se levantem, exigindo que os seus governos cumpram com as promessas de acabar com a pobreza extrema e que se alcancem os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM) até 2015.

O projeto coordenado, no Brasil, pela Chamada Global para a Ação contra a Pobreza - Aliança pela Igualdade, à qual se juntaram dezenas de organizações, articulações e associações de todo o país.

O que o projeto prega:
  • a justiça nas relações comerciais e financeiras entre os países;
  • o cancelamento das dívidas dos países mais pobres;
  • o aumento real no volume e na qualidade da ajuda para o desenvolvimento dos países;
  • e no Brasil, também queremos políticas públicas democráticas e transparentes para a erradicação da pobreza e para a diminuição da desigualdade social;

Quem mais ajuda?

A CARE Brasil participa do movimento nacional de combate à pobreza.

O empoderamento da sociedade civil em todo o processo de mudança e desenvolvimento local garante a sustentabilidade do processo e a quebra do ciclo da perpetuação da pobreza na região.

Para tanto, a CARE Brasil prioriza três formas básicas de atuação: a execução de programas; a atuação junto ao debate público; e a promoção da mobilização social.

A CARE Brasil utiliza um marco referencial denominado Desenvolvimento Local, possibilitado pelos próprios atores locais, pelas famílias que vivem e moram nessa região. O papel da CARE Brasil é facilitar e catalisar as mudanças com os outros atores. Desenvolvimento Local é formado por cinco dimensões:

1) a inclusão social, compreendendo as atividades de educação, saúde, assistência social, apoio a minorias e similares, que possibilitam a uma pessoa pobre exercer sua cidadania;

2) o fortalecimento da economia local, incluindo atividades agrícolas e não-agrícolas, que tem por objetivo possibilitar a autonomia de renda da família;

3) a inovação na gestão pública, pois não há melhoria da qualidade de vida nem a dinamização da economia sem um setor público profissionalizado e eficiente;

4) a proteção ao meio ambiente e o uso de forma racional dos recursos naturais, pois não há melhoria de qualidade de vida e combate à pobreza com destruição ambiental;

5) e, em especial, a participação popular ou mobilização social, para que o cidadão tome parte ativa nos rumos da sua comunidade e do seu município.

Dentro das cinco dimensões de Desenvolvimento Local, a CARE Brasil escolheu duas áreas prioritárias de atuação: Educação e Geração de Trabalho e Renda.


Seja qual for o meio de participação, o importante é sempre seguir em frente e ajudar a todos que precisam. Abs a todos, e bom blogActionDay







2 comentários:

  1. Pois é, Julio, grana pra combater a pobreza não existe, mas para ajudar banqueiros inescrupulosos não falta. É uma situação revoltante. Em termos de solidaridade mundial, a civilização ainda engatinha.
    Parabéns pelo post conscientizador.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Pelo que percebi até agora, a maioria dos participantes que visitei prega a necessidade de investimento em educação e geração de empregos. Certamente são dois indicadores que possibilitam averiguar se houve diminuição no nível de pobreza do país.

    Parabéns por aderir ao Blog Action Day!

    Um abraço!
    Juca

    ResponderExcluir