As cem coisas para se viver

Sim, sou um nostálgico da simplicidade. Tenho 2.000, 3.000 livros. Mas o meu sonho supremo era ter apenas dez ou vinte e fechar a contagem. Ah, como seria bom reunir "os livros da minha vida" numa única estante e deixar que o ruído do mundo, e das letras, passasse lá por fora. A biblioteca perfeita não se faz por adição; faz-se por subtração. Não me canso de o repetir.

Como tudo o resto, aliás: acumulamos centenas, milhares de objetos sem desígnio ou sentido. Quando seria possível viver com metade, ou metade da metade, ou metade da metade da metade. Só nos Estados Unidos, leio agora, existem milhares de "centenários": indivíduos que, cansados do excesso consumista, reduziram as suas vidas a cem objetos fundamentais. A moda espalhou-se por jornalistas do Reino Unido. Da Europa. De Portugal. Que fizeram a experiência e sobreviveram a ela.

E por que não? Sentado no sofá da sala, olho em volta e, saturado pela paisagem, começo a subtrair mentalmente. Ao fim de algumas horas, há mais espaço: físico, mental e até existencial. Não acreditam? Acredite, leitor. E sigam-me, por favor.

Começo pelo quarto. Deixo ficar a cama (1); o jogo de lençóis (2); o cobertor para as noites geladas (3); um candeeiro de leitura (4); os três volumes das cartas de Séneca a Lucílio, editados em inglês pela Loeb (7); uma chávena para o chá (8); um lápis para sublinhar ou comentar (9); caneta (10); bloco de notas (11); a fotografia de minha luz que me acompanha quando desperto ou adormeço (12).

E roupa? Pouca, pouca. Três calças para o verão (15); três para o inverno (18); outro tanto de camisas (24); e de cuecas (30); e de meias (36); um "tweed" invernal (37), um casaco de linho para os dias mais quentes (38); gabardine para a chuva (39); sapatos (dois pares, 43); calções para nadar (raros momntos, mas é bom te-los) (44); uma gravata preta para funerais (acho uma demais, mas para respeito, claro) (45).

Na biblioteca, o despojamento é total. Fica a mesa, sim (46); a poltrona que a custo encontrei-a perfeita, e hoje já é minha companheira de quase todas as leituras (47); outra poltrona para Minha Luz (48); o sofá das sestas e das festas (49); a estante (50); e, dentro da estante, por ordem cronológica, a Bíblia (51); a ética e a poética de Aristóteles (53); os Pensamentos de Marco Aurélio (54); as Confissões de Agostinho (55); Dante e a sua Comédia (56); os ensaios de Montaigne (57); a lírica, e só a lírica, de Camões (58); as obras de Shakespeare na edição recente, e excelente, da Royal Shakespeare Company (59); o Orgulho e Preconceito de Jane Austen (60); o Noites Brancas (61); os Maias de Eça (62); as quatro primeiras novelas satíricas de Evelyn Waugh (66); um volume de crônicas de Nelson Rodrigues (67); óculos para ler (68); o candeeiro para ler com óculos (69); e o notebook, para comentar tanta leitura e postar em no blog, claro (70).

A música seria a grande sacrificada. Mas não abriria mão de Noël Coward a cantar velhos temas (71); e de Gershwin ao piano (72); e de Harry James ao trompete (73); e do My Fair Lady, na versão original (74). Ficaria também com uma ópera popular de Mozart, talvez Così Fan Tutte para os dias solares (75); e Bach para os dias chuvosos (76); e guardaria ainda um CD antigo e pirateado com um tema de Ennio Morricone que me enche sempre de felicidade e nostalgia (77). E, antes que seja tarde, o aparelho de som para que a casa não ficasse muda (78).

E antes que me acusem de higiene primitiva, haveria papel higiênico no banheiro (79), uma escova de dentes (80) com pasta a condizer (81); um pente (82); e sabão natural, melhor que todos os cremes (83). Ah, já esquecia: e uma toalha para me limpar (84)!

O que sobra? A cozinha, sim. Mas, sendo eu homem moderno com talento para os tal, também seria um sacrifício enorme, acredito que só pela lista dispensaria os ditos cujos e simplificaria. (  ). Ficaria o telefone para encomendar jantares (85) e a máquina do café para os terminar (86). E dois copos (88), e dois pratos (90), e duas facas (92), e dois garfos (94), e duas chávenas (96), e dois guardanapos de pano (98) - tudo isso minha luz e eu, jantarmos todas as noites juntinhos. E se pensam que faltam ainda dois objetos para chegar aos prometidos cem, pensem novamente: o jantar seria íntimo e à luz das velas. Duas, para ser mais claro (100).

Para ser sincero ainda estou pensando bem sobre os cds que ficaria, mas a lista serve para pensarmos mais em como estamos levando nossa vida, com necessidades de coisas e afins, e no fim nem mais as usamos ou queremos. Que tal então brincarmos um pouco com a idéia, e tentar descobrir quais as 100 coisas que poderia usar em sua casa para viver tranquilo e em paz?

Agora , já animado com está idéia, gostaria de transformar em um meme mais complexo da blogsfera, repasso para Luma, minha Luz, Jens novamente, Davis, Cejunior, BHY, Yvonne, e para todos que quiserem participar.

Um pedido especial para WILMARX, gostaria de ver esse 100 em um humor desenhado. Hehehe, estou exigindo já, não?

Abs, uma ótima semana a todos

9 comentários:

  1. Julio, que surpresa agradável saber que você me convidou para falar sobre esse assunto. Vou pensar com carinho porque no momento, nada me vem à cabeça, mas de uma certa forma fiquei pensando no que faria em termos de faxina. Ainda não sei, mas estou curiosa comigo mesma. Estou copiando seu post para ler novamente e pensar no meu.
    Beijocas

    ResponderExcluir
  2. Pô, Julio, este desafio é porrada. O das férias vou responder na quarta-feira. Mas neste vou ter que pensar bastante. Aliás, faz alguns meses que venho tentando - inutilmente - me livrar de coisas que chamo de quinquilharias emocionais: por exemplo, cartas, livros e revistas que nunca mais lerei, escritos que nunca vou publicar.
    Vou fazer como a Yvonne - copiar, reler e pensar. Quanto chegar às 100 mais, aviso.
    Obrigado pela distinção.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. PÔ fazia tempo que eu não dava uma passada por aqui!
    Abração brother...
    O Blog continua show de bola!

    ResponderExcluir
  4. Idéia lega, mas eu ainda não tenho maturidade o suficienmte pra reduzir minha vida somente a 100 coisas....

    ResponderExcluir
  5. Ai, eu também nao conseguiria reduzir minha vida em 100 coisas, mas vou passar a contar para saber;)

    Estou vindo aqui te convidar para um assunto bem interessante. Quem sabe você também vai aderir. Passa lá no meu blog para saber mais. Acredito que você tenha muita coisa para contar.

    Obrigada

    ResponderExcluir
  6. Querido amigo,O Endereço do Compartilhando mudou,atualize o feeds:
    http://evelyns-place.com/compartilhandoasletras/
    Têm uma linda postagem sobre o Dia do Mestre,apareça por lá.Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Eu vim ler seu texto do Blog Action e encontrei este aqui; adorei! E também deixaria My fair lady na minha lista, mesmo porque eu já o tenho. Um abraço!

    ResponderExcluir
  8. aie Jesuis!! Pra viver com tão pouco eu teria que ir para uma ilha! Vou tentar!! Beijus

    ResponderExcluir
  9. olá, hoje eu vi esse meme. obrigado pela indicação. ;-)

    ResponderExcluir