Retratos do Brasil por Walter Firmo

Para o “fotógrafo-mascate” Walter Firmo, “a imagem não pode ser neutra e o poder do olhar deve influenciar as pessoas porque o ato de fotografar tem que ser político e não um mero acaso instantâneo”. Nos últimos 50 anos, o carioca de Irajá, além de seu percurso internacional com inúmeras exposições e premiações, saiu pelo Brasil em busca de fotografias únicas que contassem uma história – a história do povo brasileiro através de retratos, de uma cena cotidiana ou de suas manifestações culturais. Em Brasil - Imagens da terra e do povo, que a Imprensa Oficial do Estado de São Paulo lança em parceria com o Museu Afro Brasil no Dia da Consciência Negra, 20 de novembro, das 18 às 22 horas, está parte significativa do vasto acervo iconográfico de Walter Firmo organizado por Emanoel Araújo, diretor-curador do Museu Afro Brasil, que também assina a apresentação do livro. Nesta mesma ocasião, será aberta a exposição Walter Firmo em Preto-e- Branco. O Museu Afro Brasil fica no Parque do Ibirapuera (portão 10).

São mais de 260 fotos coloridas e em preto-e-branco, recentes ou antigas, organizadas em capítulos de acordo com os temas: Paisagens, Retratos, Cotidiano, O Sagrado, O Profano e Preto-e-branco. Há também um capítulo dedicado a Arthur Bispo do Rosário, a quem Walter Firmo conheceu em 1985 quando passou três dias na Colônia Juliano Moreira, no Rio de Janeiro, fotografando o artista para a Revista IstoÉ. “Fui um dos poucos fotógrafos que tiveram a graça de conviver com esse senhor adorável, engenhoso solitário, que na falta do que fazer engendrava sobre o apogeu de sua neurastenia uma arte fantástica em meio a brasões, lanças, sapatos empilhados, mantos sagrados salpicados na loucura, iluminado no resplendor de uma cama ‘voadora’ adornada de um mosquiteiro rosa com penduricalhos coloridos, estelares manchas a sinalizarem sua alegria”.

Walter Firmo, prêmio Esso de Jornalismo em 1963, tem toda a sua sensibilidade revelada nos retratos posados, na cena dirigida e estudada, ou nos instantâneos marcados pelo flagrante característico do fotojornalismo do qual Firmo foi um dos precursores. Com passagens pelas principais redações do País, ele foi o primeiro fotógrafo contratado pela revista Realidade, ícone do jornalismo brasileiro.

“Como fotógrafo, mapeei uma geografia humana, conheci muita gente. Boa e ruim. Preferi pessoas ligadas à música, poetas e seresteiros. Descobri na sociedade negra que eles não são invisíveis. Fotografei Garrincha e Pelé. Comunguei com Dom Helder Camara; procurei os bandidos ‘Diabo Louro’ e ‘Cara de Cavalo’; cumprimentei os presidentes Dutra, Juscelino e Jango, vi de perto as maluquices de Jânio Quadros com os cabelos derramados sobre a testa; me enrolei na cobra de Luz del Fuego sobre uma ilha na baía de Guanabara, dirigi o maestro Pixinguinha a sentar-se na sua cadeira de balanço, imortalizando-o”, escreve.

Brasil - Imagens da terra e do povo traz fotos de personalidades como Madame Satã saindo da toca em 1976; Bob Marley jogando futebol no Rio em 1980; Pixinguinha; Nelson Cavaquinho e Cartola, Clementina de Jesus, Pelé e muitos outros, além de centenas de anônimos retratados ou flagrados em situações cotidianas. São cenas de casamentos em áreas rurais, grávidas posando no mangue, vendedores ambulantes nas praias da Bahia, paisagens, fiéis em rituais religiosos, foliões no carnaval, crianças brincando nas dunas do Abaeté e tantos outros momentos e rostos genuinamente brasileiros. Um passeio pelas manifestações culturais de norte a sul mostra o Boi-bumbá do Espírito Santo, o Bumba-meu-boi do Maranhão, o carnaval carioca, a Festa Farroupilha gaúcha, o Maracatu Rural de Pernambuco, a Festa do Divino no Maranhão, os Mascarados goianos, as festas juninas da Bahia e tantas outras festas populares.

Walter Firmo é um desses gênios da fotografia brasileira. Seu olhar iluminado, magnético, tem a rapidez do repórter e o refinamento do artista. Seu clique sempre alcança a magnitude da cena e os diferentes temas abordados por ele aparecem como obras antológicas neste álbum que festeja seus setenta anos de vida”, revela Emanoel Araújo.

Para Hubert Alquéres, as fotografias de Walter Firmo mostram realmente imagens da terra e do povo brasileiro como o próprio título do livro sugere. “Impressionam as cores, as expressões dos brasileiros que posaram para ele ou que simplesmente foram surpreendidos pelo olhar de Walter. Publicar essa antologia é garantir que as imagens eternizadas por este fantástico fotógrafo estejam acessíveis a todos os interessados nas diversas realidades brasileiras”.

Hoje Walter Firmo dá aulas e workshops e estima que mais de duas mil pessoas já o ouviram falar sobre fotografia. “Nunca conformado mas sonhador, estarei sempre nesta plataforma amorosamente fotográfica, praticando como posso meu ofício, emoldurando esses personagens heróicos na razão da negritude em todas as regiões deste extenso país. Enquanto eu viver”.

Hoje dia 20 de novembro é dia da Dia da Consciência Negra.

Agradecimentos à Walter Firmo, Humberto Alquéres, Emanuel Araújo e Maria Fernanda Rodrigues da Lu Fernandes Escritório de Comunicação, ao contéudo deste post para o Juliu's Pub.

abs, até amanha

Nenhum comentário:

Postar um comentário