Skol Sensation [ + Line Up ]


Clique aqui e veja o Line Up e mais informações do Skol Sensation 2010


Skol Sensation, confira o Line Up do evento.

Resultado de parceria entre a produtora holandesa ID&T e a Skol, a Skol Sensation reunirá milhares de pessoas vestidas de branco em um enorme show. O evento será realizado no dia 04 de abril em São Paulo e terá seis horas de duração.

"É com grande satisfação que trazemos este espetáculo para o Brasil, que reúne todas as culturas em um só lugar. O projeto é um sucesso em diversos países, como na Holanda, onde os ingressos para 40 mil pessoas se esgotam em duas semanas após a abertura da bilheteria...", afirma Duncan Stutterheim, fundador do projeto.

A trilha sonora e a decoração do local serão apoiados no tema da festa que será "Tree of Love" (árvore do amor) na qual terá uma árvore com imensos galhos brancos que ficará no centro do local. DJs internacionais e nacionais compõem o line up.

Para se ter uma idéia, os participantes, em sincronia com o evento, compartilham de um show de luzes e apresentações de acrobatas e dançarinas com figurinos personalizados para cada tema e momento do espetáculo. Tudo isso com efeitos especiais da última geração. Um detalhe importante é que o evento sempre acontece em locais fechados para que o público realmente faça parte de todo o espetáculo.

Skol Sensantion - DJs

Confira o Line Up exclusivo do evento:

Mark Knight [conheça] [ouça]
Mason [conheça] [ouça]
Ferry Corsten [conheça] [ouça]
Erick E [conheça] [ouça]
Gui Borato [conheça] [ouça]
Fedde Le Grand [conheça] [ouça]

Data: 04 de abril
Local: Av. Olavo Fontoura, 1209 – Anhembi

Entradas:
Portão principal 26 - pista
Portão 1 Camarote Premium
Portão 3 - Pista estudante
Portão 13 - Camarote Diamond

Horário:
Abertura dos portões: 21 horas do dia 04 de abril
Início do Skol Sensation: 23 horas
Encerramento do Skol Sensation: 5 horas da manhã do dia 05 de abril

Mais informações: www.skolsensation.com.br

Ficou curioso para saber como será? Confira o teaser


Skol Sensation [ + Set List ]

Leia aqui todas as informações da Edição de 2010 - Clique

Qual seria a possivel set list do Skol Sensation?

Veja o vídeo de abertura e apresentação dos Djs, na edição alemã:



Esse vídeo é só para dar um test up do que já aconteceu lá fora, de uma verificada na intro que será sem igual. Mas se ficou bem curioso quem tocará por aqui, agora você pode conferir o Line Up oficial clicando aqui.

A Propriedade do único

Em O único e a sua propriedade, Stirner faz uma crítica radicalmente anti-autoritária e individualista da sociedade contemporânea. Ele insiste que tanto a língua como os argumentos devem servir aos fins individuais baseados na experiência de cada um, bem como à tão citada modernidade da sociedade ocidental.

A obra, publicada em 1844 na cidade de Leipzig, Alemanha, é o principal texto do autor. Um pouco antes disso, Max Stirner, pseudônimo de Johann Kaspar Schmidt, já propagava sua filosofia com uma série de artigos, como, por exemplo, O falso princípio de nossa educação e Arte e religião.

Em O único e a sua propriedade, o autor proclama que todas as religiões e ideologias se assentam em conceitos vazios, que, após solapados pelos interesses pessoais (egoístas) dos indivíduos, revelam sua invalidade. O mesmo é válido às instituições sociais que sustentam esses conceitos, seja o Estado, a legislação, Igreja, o sistema educacional, ou outra instituição que reclame autoridade sobre o indivíduo. Stirner reforça, em suma, que a sua causa é a causa do nada:

“Há tanta coisa a querer ser a minha causa! A começar pela boa causa, depois a causa de Deus, a causa da humanidade, da verdade, da liberdade, do humanitarismo, da justiça; para além disso, a causa do meu povo, do meu príncipe, da minha pátria e, finalmente, até a causa do espírito e milhares de outras. A única coisa que não está prevista é que a minha causa seja a causa de mim mesmo! ‘Que vergonha, a deste egoísmo que só pensa em si!’."

Considerado “pai do anarquismo”, o autor não se identifica com essa ramificação política e ainda inclui seus seguidores em suas críticas. A doutrina política de Stirner repudia a revolução e ridiculariza os movimentos sociais que atentam para a transformação do Estado e tão-somente. Sua argumentação explora e estende os limites da crítica hegeliana, que ele dirige especialmente a seus contemporâneos − principalmente a seus colegas jovens hegelianos, como Ludwig Feuerbach − seguidores de ideologias populares, tais como nacionalismo, estadismo, liberalismo, socialismo, comunismo e humanismo.

Agradeço a Patrícia Rosseto da Matins Fontes pelas informações aqui postadas e citações.

abs

Aos Anônimos

Anonimato é a qualidade ou condição do que é anônimo, isto é, sem nome ou assinatura. Deriva do grego ανωνυμία, que significa "sem nome".

Com o advento das mensagens por telecomunicações e, em particular, pela Internet, designa o acto de manter uma identidade escondida de terceiros.

via Wikipédia


Sempre preservei e apoiei a questão de ser anônimo em blogs. Mas tem horas que enche, sinceramente.

Pois que assim seja, por deliberados comentários sem assinaturas, o conhecido, Anônimo é um direito que não mais existe no Pub. Seja inscrito e terá total liberdade de expressão.

abs,

Aniversáro

"Nunca tive outra idade senão a do coração."


E assim foi a 81ª edição do Oscar 2009

No começo aguardei sempre as alfinetadas pelo Red Carpet, e até então tudo bem. Ryan Seacrest, que um dia foi mas simples, apresentou bem pela E Enterneiment Televison a chegada das novas estrelas do mundo cinematográfico. Deixamos de lado que ele deu uma alfinetada na ótima atriz Marisa Tomei dizendo que fazia tempo que ela não passava por ali, e também quase ignoramos o fato de que ele foi bem rude com as crianças de Slum Dog Millionaire, se recusando a dizer o nomes deles todos por serem indianos. No total falaram apenas "bem" das celebridades. Jéssica Biel que levou um vestido que chamou atenção mais que ela própria e Beyonce que, eu juro, estava vestida de própria estatueta ganhou um positivo dos apresentadores conhecidos como “os sem perdão da moda”.

Após o Red Carpet corri para ver pela TNT com o maçante Rubens Ewald Filho, tecla SAP on, all time e problema resolvido. Começo a assistir o restinho do Red Carpet, desta vez da própria academia, com apresentadores simpáticos. Não tivemos surpresas, as apresentações foram devidas e terminaram no prazo. Oba! Começou!

Vimos pela primeira vez o Kodak Theatre "simples" e até então não sabíamos o que esperar, eis que entra o apresentador Hugh Jackman, nosso adorável Wolverine, já contando o porquê estavam tão simplistas. Crise Financeira Global – Tema do evento: Crise e Esperança. Enfim, aceitamos e ele continuo sua apresentação dizendo que mesmo assim faria um opening digno de Oscars. E lá vai ele feliz da vida começar a apresentação. Com letra bem escritas e não muito diferente de outros anos, Hugh fez uma bela apresentação e em certo momento chamando Anne Hathaway para ajudá-lo, ficaram bem juntos - Dica para os diretores e roteiristas, eles são bons juntos - e foram perfeitos. Junto com placas e boards feitos a mão, a abertura foi bem planejada - pelo orçamento limitado - e foi uma agradável surpresa para algo que seria maçante.



Direto ao assunto. Sem enrolação alguma já começaram as apresentações dos prêmios, ótima surpresa ao novo método de apresentação das categorias de atores e atrizes, na qual cinco já premiados escolhia um dos cinco indicados para falar algo a respeito e logo após descobríamos quem era o ganhador. Legal a idéia, espero que continuem. Nas outras apresentações, nada de novo. Cenários criados para dar ênfase ao que era criado, o apresentador citando e explicando a importância e claro as famosas apresentações de clipes dos filmes.

Do mais o que nos chamou atenção foi Tina Fey que apresentou os prêmios de melhor roteiro e roteiro adaptado, junto com Steve Martin que na minha opinião ficou acinzentado ao lado da nova queridinha das televisões americanas. A apresentação dos dois foi bacana e bem marcante, eles apresentação o prêmio de melhor roteiro e melhor roteiro adaptado. Tina leu o roteiro como fora escrito, assim como Steve, muito inteligente, simples e certeiro no modo de dizer o que é este prêmio. Outra entrega bacana foi com Ben Stiller que imitou a nova fase de Joaquim Phoenix, com uma barba enorme, e claro, teve o ótimo suporte da Natalie Portman que mostrou ter aptidões para comédia.

Por falta de indicações musicais, apenas Slum Dog Millionaire e Wall E estavam competindo, não precisamos ver as apresentações individuais das longas e sonolentas músicas como nos últimos anos. Foi um mashup bem rápido e praticamente indolor. Quando as músicas foram apresentadas os dois indicados, John Legend por Wall-E e A.R. Rahman por Slum Dog Millionaire, fizeram jus. E foi um momento bonito e bem interessante ver Hollywood e Bollywood juntos.



Entradas e saídas, este definitivamente foi o Oscar do timming perfeito. Jackman até adiantou logo no começo chamando os primeiros vídeos dos telões adiantados, e as cortinas demoraram um pouco a abrir. (Alias comentários à parte, os telões eram sim de alta tecnologia, pela autonomia de e ir a todo o momento).

O momento auge foi quando Hugh, deixando transparecer a felicidade, gritou a todos: "Os Musicais estão de volta". Citando isto logo após uma ótima apresentação, mas devo dizer rápida até demais, de um mashup com vários musicais premiados e conhecidos de vários anos. Beyonce acompanhou o host, mas achei um pouco demais chamar o casal High Scholl Musical, Vanessa Hudgens e Zac Afron, para dar suporte à música, assim como o casal de Mamma Mia (Dominic Cooper e Amanda Seyfried) que mal lembramos o nome. Falta de conteúdo ou somente eu achei desnecessário? Não sei, mas além dessas citações, o Oscar praticamente falou de todos os filmes que estavam em cartas em 2008, mesmo que a citação fosse rápida ali estava. O que mostra que a qualidade pode sim cair nos próximos anos.



Nos agradecimentos, os que chamaram mais atenção foram Kate Wislet, bem nervosa mas totalmente grata por finalmente levar a estatueta, e Sean Penn que chamou as atenções para aprovação de lei para o casamento homossexual em todos os Estados Unidos da América.

Claro, Steven Spielberg encerrou bem a noite chamando o filme vencedor, Slum Dog Milionare. Um ponto curioso é que Obama foi citado diretamente apenas uma vez por Sean Penn na cerimônia.

No geral a cerimônia mostrou-se mais modesta a fim de entender e atingir o novo publico deles. Foi-se o tempo da cafonice, e com seus 81 anos poderemos ver um Oscar tentando lutar pela vida financeira – Já que perderam muitos anunciantes e viewers com os anos - , e reencontrar sua identidade pedindo pela ajuda dos mais novos de hollywood. Mas sejamos honestos, nós até que gostávamos um pouco da cafonice, não?

Abs,

Cem músicas para o carnaval

E o sucesso do carnaval não vem de Kibe Loko e muito menos das transmissões de Globo ou Band. Vem direto do Ely Kim. O rapaz subiu um vídeo no Vimeo e já faz sucesso na internet mostrando que consegue fazer 100 danças diferentes, em 100 lugares diferentes, também com 100 músicas individuais. Veja:


BOOMBOX from Ely Kim on Vimeo.


Mas como tem muita música boa no vídeo, fui pesquisar o set listo do garoto, eis em seqüência:

001. Heart of Glass / Blondie
002. Jimmy / M.I.A.
003. Deceptacon / Le Tigre
004. Im on Fire / 5000 Volts
005. Je Veux Te Voir / YELLE
006. The Way I Are / Timbaland
007. Too Young / Phoenix
008. Over And Over / Hot Chip
009. Stick It To The Pimp / Peaches
010. Say My Name / Destiny's Child
011. Pin / Yeah Yeah Yeahs
012. Geremia / Bonde Do Role
013. Let Me Clear My Throat / DJ Kool
014. Point Of No Return / Expose
015. Bubble Sex / The Seebach Band
016. Pump Up the Jam / Technotronic
017. Let's Make Love And Listen To Death From Above / CSS
018. Hella Nervous / Gravy Train
019. Me Plus One / Annie
020. Don't Go / Yaz
021. Bootylicious / Destiny's Child
022. Electric Feel / MGMT
023. Boys Don't Cry / The Cure
024. Lose Control / Missy Elliott
025. Ride The Lightning / Evans And Eagles
026. Don't Stop 'Til You Get Enough / Michael Jackson
027. Hearts On Fire / Cut Copy
028. Tainted Love / Soft Cell
029. Between Us & Them / Moving Units
030. It Feels Good / Tony Toni Tone
031. Polaris (Club Mix) / Cyber People
032. You Never Can Tell / Chuck Berry
033. Huddle Formation / The Go! Team
034. Pump That / FannyPack
035. My Love / Justin Timberlake
036. Hung Up / Madonna
037. Justice - D.A.N.C.E (MSTRKRFT Remix) / Justice
038. Cybernetic Love / Casco
039. Creep / TLC
040. When I Hear Music / Debbie Deb
041. B.O.B. / Outkast
042. Bubble Pop Electric / Gwen Stefani
043. Miss You Much / Janet Jackson
044. You Spin Me Round / Dead Or Alive
045. Slide In / Goldfrapp
046. Kelly / Van She
047. Mine Fore Life / The Sounds
048. Disco Heat / Calvin Harris
049. Nighttiming / Coconut Records
050. Club Action / Yo Majesty
051. Pogo / Digitalism
052. Lip Gloss / Lil Mama
053. Heartbeats / The Knife
054. Enola Gay / OMD
055. Goodbye Girls / Broadcast
056. Kids In America / Kim Wilde
057. Kiss / Prince
058. Tenderness / General Public
059. Push It / Salt N Pepa
060. Circle, Square, Triangle / Test Icicles
061. Day 'N' Nite (Crookers Remix) / Kid Cudi
062. Shadows / Midnight Juggernauts
063. Paris (Aeroplane Remix) / Friendly Fires
064. Out At The Pictures / Hot Chip
065. Me Myself and I / De La Soul
066. AudioTrack 10 / Diplo
067. Girls & Boys / Blur
068. Heater / Samim
069. I Wanna Dance With Somebody / Whitney Houston
070. Hands In The Air / Girl Talk
071. Limited Edition OJ Slammer / Cadence Weapon
072. Meeting In The Ladys Room / Mary Jane Girls
073. NY Lipps / Soulwax
074. Lex / Ratatat
075. Gravity's Rainbow (Soulwax Remix) / Steve Aoki
076. Once In A Lifetime / Talking Heads
077. Leave It Alone / Operator Please
078. Half Mast / Empire Of The Sun
079. Hardcore Girls / Count and Sinden feat. Rye Rye
080. Dance, Dance, Dance / Lykke Li
081. Never Gonna Get It / En Vogue
082. Blue Monday / New Order
083. Crazy In Love (Featuring Jay-Z) / Beyoncé
084. 10 Dollar / M.I.A.
085. Love To Love You Baby / Donna Summer
086. Steppin' Out / Lo-Fi-Fnk
087. Karle Pyar Karle / Asha Bhosle
088. Love Will Tear Us Apart / Joy Division
089. Straight Up / Paula Abdul
090. My Drive Thru / Santogold, Casablancas, NERD
091. Like A Prayer / Madonna
092. Freedom 90 / George Michael
093. Black & Gold / Sam Sparro
094. B-O-O-T-A-Y / Spank Rock and Benny Blanco
095. Great Dj / The Ting Tings
096. In A Dream / Rockell
097. Don't Stop the Music / Rihanna
098. Hong Kong Garden / Siouxsie & The Banshees
099. It's Tricky / D.M.C.
100. Bizarre Love Triangle / New

Para o Carnaval

Por: Fernanda Young

Todo ano é a mesma coisa: você chega, fica aqui três dias e aí vai embora. Volta um ano depois, todo animadinho, querendo me levar para a gandaia. Olha, honestamente, cansei.

Seus amigos, bando de mascarados, defendem você. Dizem que sempre foi assim, festeiro, brincalhão, mas que no fundo é supertradicional, de raízes cristãs, e só quer tornar as pessoas mais felizes.

Para mim? Carnaval, desengano... Você recorre à sua origem popular e incentiva essas fantasias nas pessoas, de que você é o máximo, é pura alegria, mas não passa de entrudo mal-intencionado, um folguedo, que nunca viu um dia de trabalho na vida.

Acha-se a coisa mais linda do mundo e é cafonice pura. Vive desfilando pelas ruas, junto com os bêbados, relembrando o passado. Chega a ser triste.

Carnaval, você tem um chefe gordo e bobalhão que se acha um rei, mas não manda em nada. Nunca teve um relacionamento duradouro. Basta chegar perto de você e temos que agüentar aquelas fotos de mulheres nuas, que são o seu grande orgulho.
Você não tem vergonha, não?

Sei que as pessoas adoram você, Carnaval, mas eu estou cansada dos seus excessos e dessa sua existência improdutiva. Seja menos repetitivo, proponha algo novo. Desde que o conheço, você gosta das mesmas músicas. Gosta de baile. Desculpa, mas estou pulando fora.

Será que essa sua alegria toda não é para esconder alguma profunda tristeza? Será que você canta para não chorar? Tentei, várias vezes, abordar essas questões, e você sempre mudou de assunto. Ora, chega dessa loucura. Reconheça que você se esconde atrás de uma dupla personalidade.

Cada vez mais e mais pessoas ficam incomodadas com essa sua falsa euforia, fique sabendo. Conheço várias que fogem, querendo distância das suas brincadeiras. Você oprime todo mundo com esse seu deslumbramento excessivo diante das coisas, sabia?

Por exemplo, essa sua mania de camarote. Onde os vips podem suar sem que isso pareça nojento. Onde se pode falar torto sem que seja errado. Todos vestidos de uniforme, senão não entram. Todos doidos para passar a mão na bunda um do outro. Essa é a sua idéia de curtir a vida?

Menos purpurina, Carnaval. Menos bundas, menos dentes para fora. A vida é linda, mas a “lindeza do lindo mais lindo que há no lindíssimo” é um saco. Um pouco de calma e autocrítica nunca fez mal a ninguém. Tudo muda no mundo – por que você insiste em continuar o mesmo?

A harmonia vem da evolução, não das alegorias. Chegou a hora de rodar a baiana para não atravessar na avenida.

Como será amanhã? Responda quem puder.
Beijos,

Fonte: Claudia - Editora Abril 2009

Atualização do Widget "Quem Linkou?"

Nota rápida para hoje:

Passando para avisar que o Widget mais famoso brazuca "Quem Linkou" já voltou a funcionar. Davis [seu criador] demorou um pouco, mas finalmente fez o que precisava para atualizar um Widget que é bastante usado pelo pessoal da blogsfera.

O "Quem Linkou?" indica em uma lista simples, bonita e rápida, as ultimas pessoas que linkaram o seu blog em algum post recente. Para ver as mudanças veja o post aqui.

Qual o diferencial? Simples. O Widget se ajuda a sua CSS, e é automaticamente ajustável em qualquer lugar que colocar o script, ou seja, não terá problemas de tamanhos padronizados. E, além disso, não ofende a vista com nada além da assinatura do criador.

Então, clique aqui e pegue para o seu blog. O Juliu's Pub usa ali do lado no box "Reações da Blogsfera". E aqui abaixo eis o plugin em ação:



abs,

Indicados do 2° Los Angeles Brazilian Film Festival

2°Los Angeles Brazilian Film Festival anuncia filmes e profissionais indicados ao prêmio, assim como o show de Montserrat no pré-evento, dia 11 de março

A cantora Montserrat, nascida na Espanha e radicada no Brasil, agita a noite de pré-evento apresentando o show ‘Boleros com Bossa’. Lista de indicados ao prêmio LABRFF traz nomes como Rodrigo Santoro, Claudia Abreu, Paulo Betti, Bruna Lombardi, Murilo Rosa, Mariana Ximenes, Selton Mello, Dira Paes, entre outros grandes nomes do cinema brasileiro.

Faltando menos de um mês para noite de abertura do 2º Los Angeles Brazilian Film Festival, a organização do evento anuncia os filmes e os profissionais que irão concorrer aos prêmios de o melhor filme longa metragem, melhor ator e atriz, melhor roteiro, melhor fotografia e melhor direção de longa-metragem, escolhidos pelo júri oficial, e o melhor documentário, melhor curta-metragem e melhor curta-metragem de animação, indicados pelo júri popular. Também foi confirmada a presença da cantora Montserrat na noite do pré-evento, dia 11 de março, que apresenta uma mistura de estilos no show ‘Boleros com Bossa’.

Confira a seguir os concorrentes por categoria:

Indicados ao Prêmio de Melhor Longa-Metragem – Júri Oficial

Bela Noite para Voar – de Zelito Viana
Se Nada Mais Der Certo – de José Eduardo Belmonte
A Festa da Menina Morta – de Matheus Nachtergaele
Os Desafinados – de Walter Lima Jr.
Orquestra dos Meninos – de Paulo Thiago
Feliz Natal – de Selton Mello /
O Signo da Cidade – de Carlos Alberto Riccelli
Esses Moços – de José Araripe Jr.
A Guerra dos Rocha – de Jorge Fernando
Meu Nome Não é Johnny – de Mauro Lima

Indicados ao Prêmio de Melhor Fotografia – Júri Oficial

Bela Noite para Voar - Alziro Barbosa
Feliz Natal - Lula Carvalho
Se Nada Mais der Certo - André Lavenère
A Festa da Menina Morta - Lula Carvalho
Guerra dos Rochas - Paulo Souza
Esses Moços - Hamilton Oliveira
Meu Nome Não é Johnny - Uli Burtin
Orquestra dos Meninos - Guy Gonçalves
Os Desafinados - Pedro Farkas
O Signo da Cidade - Marcelo Trotta

Indicados ao Prêmio de Melhor Roteiro – Júri Oficial

Bela Noite para Voar - Zelito Viana
Feliz Natal - Selton Mello e Marcelo Vindicatto
Se Nada Mais Der Certo - José Eduardo Belmonte e Luis Carlos Pacca
A Festa da Menina Morta - Matheus Nachtergale e Hilton Lacerda
A Guerra dos Rocha - Maria Carmem Barbosa e Carol Castro
Esses Moços - José Araripe Jr, co roteiristas - Hilton Lacerda Ricardo Soares e Vitor Mascarenhas
Meu Nome Não é Johnny - Mauro Lima e Mariza Leão
Orquestra dos Meninos - Melaine Dimantas, Graciela Maglie e Paulo Thiago
Os Desafinados - Walter Lima Jr e Suzana Macedo
O Signo da Cidade - Bruna Lombardi

Indicados ao Prêmio de Melhor Ator – Júri Oficial

Murilo Rosa (Mozart) - Orquestra Dos Meninos
Daniel Oliveira (Santinho) - A Festa Da Menina Morta
Ary Fontoura (Dina Rocha) - A Guerra dos Rochas
José de Abreu (Juscelino Kubitschek) - Bela Noite Para Voar
Leonardo Medeiros (Caio) - Feliz Natal
Selton Mello (João Guilherme Estrella “Johnny”) - Meu Nome Não É Johnny
Rodrigo Santoro (Joaquim) – Os Desafinados
Juca de Oliveira (Aníbal) – O Signo da Cidade
Paulo Betti (Paulo Roberto) - Casa da Mãe Joana
Cauã Reymond (Leo) - Se Nada Mais Der Certo
Inaldo Santana (Demostenes) - Esses Moços

Indicados ao Prêmio de Melhor Atriz – Júri Oficial

Caroline Abras (Marcin) - Se Nada Mais Der Certo
Darlene Gloria (Mércia) - Feliz Natal
Cléo Pires (Sofia)- Meu Nome Não É Johnny
Claudia Abreu (Glória) - Os Desafinados
Priscila Fantin (Creuza)- Orquestra Dos Meninos
Bruna Lombardi (Teca) - O Signo Da Cidade
Mariana Ximenes (Princesa) - Bela Noite Para Voar
Dira Paes (Diana) – A Festa da Menina Morta

Indicados ao Prêmio de Melhor Documentário – Júri Popular

Anabazys – de Paloma Rocha e Joel Pizzini
Titãs, a Vida até Parece uma Festa – de Branco Mello e Oscar Rodrigues Alves
Favela On Blast – de Leandro HBL e Wesley Pentz
Samba Riachão – de Jorge Alfredo
Contratempo – de Malu Mader e Mini Kerti
Waldick, Sempre no meu Coração – de Patrícia Pillar

Indicados ao Prêmio de Melhor Curta-Metragem – Júri Popular

Se não Fosse o Onofre... – de Erika Mader
Perto de Qualquer Lugar – de Mariana Bastos
Simbologia de um Crime – de Marcus D’artagnam e Rodrigo Lombardi
Na Madrugada – de Duda Gorter
Quarto 38- de Thomas Hale
A Cauda do Dinossauro – de Francisco Garcia
A Maldita- de Tetê Matos
Eu Escrevo Torto com Linhas Tortas – de Igor Spacek e Ivan Spacek
Os Filmes que não fiz- de Gilberto Scarpa
Amanda e Monik – de André da Costa Pinto
Além do que se vê – de Marcello Sampaio
Samparkour- de Wiliand Pinsdorf
Quando o Vento Sopra – de Petrus Cariry
Dez Centavos – de César Fernando de Oliveira
E aí, Irmão? – de Pedro Martins
Catálogo das Meninas – de Caó Alves
Hansen Bahia – de Joel de Almeida
Meio Poeta – de Caco Monteiro
O Corneteiro Lopes – de Lázaro Faria
Vermelho Rubro do Céu da Boca – de Sofia Federico
Oriki – de Jorge Alfredo e Moisés Augusto
O Anjo Daltônico – de Fábio Rocha

Para ver as sinopses de alguns filmes que serão exibidos no 2º LABRFF, acesse o link http://www.ralcoh.com.br/Sala-de-Imprensa/LABRFF/sinopses-filmes-labrff-2009.html.

E para saber sobre a programação completa, acesse http://www.ralcoh.com.br/Sala-de-Imprensa/LABRFF/programacao-completa-do-2o-labrff.html

abs,

O Último Português da China

Toca o telefone no escritório de advocacia do escritor macaense Henrique de Senna Fernandes. Chamada de São Paulo. Em Macau, ex-colônia portuguesa na Ásia e desde 1999 região administrativa especial da República Popular da China, os relógios estão no futuro — nesta época do ano, dez horas a mais em relação ao Brasil —, mas o idioma no qual se expressa o jornalista que procura pelo autor ficou no passado. "Can you speak in English?", pergunta do outro lado da linha, com voz constrangida e sotaque achinesado, uma assistente de Senna Fernandes, logo que ouve as primeiras palavras na língua da antiga metrópole.

O episódio reforça a ideia de que Senna Fernandes (1923) talvez represente o último capítulo de peso da história da literatura produzida em português no continente asiático — ou, ao menos, em Macau. Assim, a publicação no Brasil de dois livros do ficcionista, Nam Van (contos, 1978) e Amor e Dedinhos de Pé (romance, 1986), já constituiria, por si só, um acontecimento editorial. Há, no entanto, algo mais a sublinhar: a obra do autor é um paradigma da expressão identitária de Macau, moldada a partir da fricção entre as tradições portuguesa e chinesa, disso resultando uma "cultura de encontro". "O macaense é precisamente o produto do equilíbrio de várias culturas, entre as quais se destacam a portuguesa, a raiz, e a chinesa, o solo. Eu sempre quis mostrar essa possibilidade de duas culturas tão díspares encontrarem uma plataforma de entendimento e de adaptação, criando um mundo novo", explicou o escritor em entrevista a BRAVO!.

A primeira providência tomada por Senna Fernandes para alcançar esse objetivo foi pôr os macaenses no centro da ação narrativa. O prodígio, conforme observa Mônica Simas em Oriente, Engenho e Arte, coletânea de ensaios de vários estudiosos sobre imprensa e literatura produzidas em português na Ásia, significou um "deslizamento subversivo" das estruturas literárias até então praticadas. Em obras como a de Jaime de Inso (1880-1967), por exemplo — oficial da Marinha lusa que serviu em Macau na década de 1920 —, os nativos da colônia não passavam de "personagens secundários".

Escritos com apuro técnico e cuidadosa construção de personagens, Nam Van e Amor e Dedinhos de Pé são representativos do projeto literário do autor. O volume de contos parece já querer concretizá-lo desde o título: Nam Van é a denominação chinesa da Praia Grande, o coração social e administrativo de Macau, além de "zona residencial preferida da população". Em suas cercanias, Senna Fernandes nasceu e passou parte da infância e lá foi morar quando regressou a Macau, depois de se formar no curso de direito na Universidade de Coimbra, para não falar que ele atribui ao local a inspiração de seus textos iniciais — o que vale dizer que, para além do jogo linguístico de reunir histórias em português sob um título chinês, o nome da obra relaciona as memórias espacial, coletiva e pessoal.

Os Livros:
Amor e Dedinhos de Pé (286 págs., R$ 45,90)

e Nam Van (138 págs., R$ 29,90),
de Henrique de Senna Fernandes. Editora Gryphus.

Irregular

A única hora do brasileiro

Deixar tudo para a última hora parece ter virado um hábito comum na vida de muitas pessoas. Pagar as contas sempre na data de vencimento, comprar presentes horas antes da festa ou mesmo deixar para regularizar documentações no último dia permitido, enfrentando filas e se deparando com o estresse provindo da correria. Pare um pouco e pense se você é uma dessas pessoas que não conseguem resolver as coisas com antecedência e acabam sempre deixando para o último dia.

Essa maneira de agir já virou um vício na vida de muita gente que, quando o adquire, já não sabe mais viver em prol da resolução de coisas importantes, mas sim das urgências. Muitos já não se lembram como é viver sem correria, sem pressa e com tudo no prazo correto e, muitas vezes, acabam perdendo boas oportunidades porque aquilo que deixaram para a última hora não pôde ser resolvido em tempo.

Outro problema dessa correria constante é o estresse causado por tantas coisas de ultima hora w o tempo para aproveitar a vida acaba ficando escasso. É claro que é inevitável fazermos com que não haja mais nenhuma urgência em nossas vidas, pois algumas são totalmente imprevisíveis ou incontroláveis, porém é absolutamente possível evitar que muitas delas aconteçam, adotando pequenos comportamentos em sua vida, como:

• Antecipe suas execuções – Há pessoas que ao olharem em sua agenda e notarem que algo precisa ser realizado até o dia seguinte, logo pensam: “então amanhã eu faço!”. Essa é a forma mais comum em fazer com que as urgências surjam cada vez mais em nossas vidas. Por isso, devemos antecipar tudo o que pudermos, pois assim dará tempo de realizar um trabalho ainda mais bem feito e tomar qualquer outra atitude ser for necessário;

• Anote tudo o que precisa fazer – É preciso criar um hábito muito importante para que a organização pessoal tenha efeito: escrever. Quem guarda tudo o que precisa fazer na cabeça, cria urgências mesmo sem querer, pois acabam esquecendo das suas responsabilidades e, se tiverem sorte, lembram na data certa. Não confie tanto na sua memória, use uma ferramenta e anote suas prioridades;

• Compartilhe as suas prioridades – Se você é uma daquelas pessoas que ainda não criaram o hábito de escrever suas tarefas para que se organize melhor ou ainda está tentando, mas deixa muita coisa por conta da memória, compartilhe-as com uma pessoa próxima. Caso seu cérebro não o avise de que o prazo já está se esgotando, talvez a outra pessoa possa salvá-lo. Pode ser seu colega próximo ou sua secretária, por exemplo, que certamente anotará a atividade na agenda para lembrá-lo disso posteriormente;

• Cuidados com os viciados – Há pessoas que já tem o vício da urgência e parecem gostar mesmo do hábito. O problema é que as conseqüências negativas decorrentes da urgência podem também afetar mais gente que deles depende. Se você tem a necessidade de que alguma dessas pessoas resolva algo particular, tente fazer com que essa pessoa não deixe para a última hora, monitorando a sua execução;

• Aprenda com a urgência – Muitas vezes acontece de as urgências serem sempre as mesmas. Por isso, ao invés de apenas resolvê-las e eliminá-las do seu caminho, pare e pense em um plano de prevenção para que da próxima vez seja diferente. Pode ser um checklist, uma reunião com a equipe de planejamento, a implantação de um processo diferenciado ou uma simples lista de tarefas na sua agenda.

Lembre-se que o hábito da urgência não é saudável e não traz bons frutos para sua vida. Inicialmente pode até parecer bom porque o livra de outras tarefas naquele momento, mas quando você menos espera, percebe que todas elas se acumularam e você não sabe por onde começar. Quando se acostumar com uma vida focada em questões importantes, e não urgentes, certamente não sentirá nenhuma saudade da velha rotina.

Agradeço o Christian Barbosa - Um dos maiores especialistas em gerenciamento do tempo e produtividade pessoal e empresarial - por toda as informações.

abs,

Dicas - Rapidinhas

Curso de Crítica Musical

A História do Rock no Brasil, a evolução da crítica musical, técnicas de entrevista e redação, o papel da internet e a produção de música independente são os temas abordados no Curso "A Crítica Musical", promovido pelo Espaço Revista Cult, nos dias 06 e 07 de março. Voltado para estudantes, profissionais e amantes da música brasileira, o curso tem como objetivo desenvolver a capacidade crítica de estudantes e profissionais interessados em ampliar o conhecimento. Vagas limitadas. - www.espacorevistacult.com.br

--

Promoção Paradoxo

E o pessoal da Revista Paradoxo conseguiram ingressos para a pré estreia do filme Divã com Lília Cabral, José Mayer, Cauã Reymond e Reynaldo Gianecchini. Para participar, basta deixar um comentário no Blog do Editor - clique aqui - ou mandar um tweet para @paradoxo respondendo a seguinte pergunta: qual segredo [seu ou dos outros | real ou fictício] você gostaria de contar no divã de um analista?

O resultado sai na quinta-feira 12/02.

--

Por enquanto é isto.

abs

Um pouco de Cultura

Criador do estilo banquinho e violão, João Gilberto do Prado Pereira de Oliveira revolucionou a música popular brasileira na década de 1950 com suas divisões rítmicas inesperadas, harmonias inovadoras e sua voz de medida exata. Tornou-se referência para todos que vieram depois. No domingo, dia 15, às 20h00, o baiano nascido em Juazeiro é o homenageado do Mosaicos - A Arte de João Gilberto, na TV Cultura.

O documentário musical - dirigido por Nico Prado e com narração de Rolando Boldrin - mostra a trajetória artística do cantor, recuperando no acervo da TV Cultura imagens de shows e algumas de suas (raras) entrevistas, como três programas Especial João Gilberto, gravados nos anos de 1978, 1983 e 1994, nos quais ele apresenta clássicos de seu repertório, como Brasil Pandeiro (Assis Valente), Tim tim por tim tim (Geraldo Jacques/Haroldo Barbosa) e Desafinado (Newton Mendonça/Tom Jobim).

Encontro de João Gilberto com Tom Jobim, em São Paulo, captado pelas câmeras do programa Metrópolis em 1992; um trecho da apresentação do violonista no Carnegie Hall de Nova York, em 1962, no concerto que lançou a Bossa Nova no exterior; uma conversa do músico com o programa Vitrine de 1994; e ainda imagens do curta-metragem Brasil, dirigido por Rogério Sganzerla em 1983, registrando o encontro de Caetano Veloso, Gilberto Gil e João Gilberto são outros destaques do material de arquivo.

Mosaicos - A Arte de João Gilberto também terá material inédito. A cantora Miúcha, ex-mulher do cantor e mãe da também cantora Bebel Gilberto, relembra histórias do homenageado e, ao lado do violonista João Lyra, interpreta Izaura (Roberto Roberti/Herivelto Martins), Meditação (Newton Mendonça/Tom Jobim) e Samba da minha terra (Dorival Caymmi).

O programa conta ainda com as presenças de Ana Cañas, Juliana Khel e Daniela Procópoio, três cantoras da nova geração que apresentam releituras de algumas das canções clássicas do repertório de João Gilberto. Confira abaixo o repertório:

Repertório dos convidados:

* Izaura (Roberto Roberti/Herivelto Martins) com Miúcha e João Lyra
* É luxo só (Ary Barroso/Luiz Peixoto) com Juliana Kehl
* Coração Vagabundo (Caetano Veloso) com Ana Cañas
* Chega de Saudade (Tom Jobim/Vinicius de Moraes) com Daniela Procópio
* Meditação (Newton Mendonça/Tom Jobim) com Miúcha e João Lyra
* Estate (Bruno Brighetti/Bruno Martino) com Juliana Kehl
* Adeus, América (Geraldo Jacques/Haroldo Barbosa) com Ana Cañas
* Samba da minha terra (Dorival Caymmi) com Miúcha e João Lyra

abs,

Blogueiro ou Jornalista?

Agora não da mais para ignorar, leiam os posts a seguir:

“quando você confunde a liberdade permitida pela tecnologia com o simples abandono dos critérios tradicionais, o blog se reduz a um filho bastardo do jornalismo.

O que é o jornalismo senão uma narrativa? Se você tem uma boa história para contar, se sabe contá-la e, melhor ainda, se ao ler a história a pessoa faz ligações entre o fato e o mundo à sua volta, está selado o pacto com o leitor.

Este pacto não dura se for baseado em ataques de narcisismo pueril, com histórias de gatinhos de estimação e o umbiguismo geral que é tão contagioso neste meio. O umbiguismo é de mão dupla e eu não o alimento quando me correspondo com leitores do site.”


Trecho retirado do ótimo post da Sam Shiraishi - Umbiguismo de mão dupla

E para o entendimento da Velha Guarda literária, deixo uma dica de leitura logo a seguira, pela minha Luz, Luma - Blogar é aceitar pé na bunda?

Buemba! Buemba! O que sou afinal?

Curta. Muto by BLU



Boa semana à todos.

abs,