Amores de uma cidade

Primeiro veio Paris, te amo [Paris, Je T'aime - 2006], que conta, através de 18 curtas-metragens de 21 diretores diferentes, histórias de amor que se passam na cidade luz. Alguém ai se lembra das histórias? Foi uma idealização diferente de se mostrar uma cidade, quais as faces, estilos, cores, sentidos e movimentos. As histórias, mesmo que rápidas, são marcantes mesmo que algumas tenham um fundo de fantasia e ficção, - Vampiros in love, pois é... Antes de Crepúsculo, pasmem! hohoho - o filme fez o sucesso que prometera, e deixou com um toque de quero mais. Tiramos à idéia de Discovery Channel e conhecemos a verdadeira cidade por seus moradores/amores.

Difícil lembrar de uma que não gostei, mas fácil de lembrar quais histórias marcaram neste longa/curto film. Um sentimento de quem não está mais entre nós, uma senhora que procura seu entendimento de existência, um casal que de tão diferentes, são tão únicos a si. A necessidade do dia a dia, a distancia inexistente. Enfim... Um filme que te faz pensar no amor em todas as suas formas, puro. Relembre, veja o trailer abaixo:



E em outubro deste ano, 11 novas histórias de amor, de 11 diretores, serão contadas em Nova Iorque. Não é a primeira vez que a big apple tem curtas histórias para contar sobre o amor, mas é a primeira vez que ela vira foco de como realmente é - em amour, people! -. O beneficio do mesmo produtor é a ênfase ao amor e a cidade. Podemos esperar então, lugares diferentes dos turísticos mostrados em todos os filmes, mas o perigo aqui mesmo é cair em mais um filme note-americanizado – veja a lista de atores e atrizes -. Para fugir disto vamos usar o mesmo beneficio do primeiro, de vários diretores de várias partes do mundo e ver o que acontece.

O filme, “Nova Iorque, Te amo” [New York, I Love You - 2009], tem estréia norte-americana marcada para o dia 16.

A obra parte do mesmo produtor de Paris, Emmanuel Benbihy e entre os diretores convidados estão grandes nomes, como: Mira Nair, Brett Ratner e Shekhar Kapur. Natalie Portman, além de fazer parte do elenco, dirige seu segundo curta no filme. Além dela, o elenco conta com Andy Garcia, Orlando Bloom, Christina Ricci, Rachel Bilson, entre vários outros nomes de peso.

Vemos então que a indie Natalie Portman continua na franquia. Mas tenho receio de ver Orlando Bloom e Shia LaBeouf, dois atores de épicos comerciais, como se saem em um film art?

As histórias se passam nos principais bairros de Nova Iorque, e não tem ligação entre si, mas como no filme anterior, o encerramento traz o encontro de todos os personagens. Ou seja, indico a todos. Ah, e parece que o produtor tem planos de fazer mais dois filmes, um em Londres e outro no Rio de Janeiro. Nada contra a cidade maravilhosa, mas acho que São Paulo teria um enfoque mais art/cult, não?

O trailer já está na internet há algum tempo, confira:



abs,

Um comentário:

  1. Oba, primeirão por aqui! Salve, cunhado: muito boas observações acerca deste novo "estilo" de filme! Lembrei-me de "Contos de Nova Iorque", 3 inesquecíveis curtas de Mestres como Scorcese, e de "Cortina de Fumaça"! Curioso, tanto como você, sobre os desempenhos de atores ditos comerciais: às vezes terminam nos surpreendendo! E é esperar pra ver o que sai da "versão in Brazil": Sampa parece mesmo a melhor opção! Abração, "The Killer" do 'pub' perdido no tempo!

    ResponderExcluir