É tudo uma questão de indiepop

Começo de carreira RULES!























O que vem de pop alternativo é sempre bom e Jenny O. é uma das novas caras a tocar no seu ipod em breve, ouvirá logo o porquê. Sem pretensões piegas e com ideias bem hippies descoladas, a garota, que trabalhou em vários projetos desde 2005, faz vocal, guitarra e manda bem no piano mostrando a sua caracterização e estilo próprio musical. Jenny começa a lançar seu primeiro EP no ano de 2010 e, aos poucos, começa a aparecer um pouco mais no cenário indie norte-americano.

E como a tecnologia é o futuro da nação chamada “planeta terra”, conheci suas musicas nesses apps da vida. Por isto, eis aqui para sua degustação:





Acompanhe por ai:

E ai, o que achou?

Nota rápida: E hoje também é #drummonDay - http://diadrummond.ims.uol.com.br/ Participe!

Até a próxima, seres pensantes.

A chegada do "The Infernal Comedy"

É com uma agradável surpresa que recebo um convite bem peculiar...













Quem esta por perto sabe de minha curiosidade em aprofundar no psíquico de cada ser um humano que se destaca suas peculiaridades e, entre vários outros temas que estudo, este é o caso de pessoas que são conhecidas como serial killers, seja ele nacional ou de terras estrangeiras. E quando chego em casa, vejo minhas recém chegadas postagens (conhecidos como cartas físicas) um pequeno envelope com um ingresso e uma carta dizendo: "O que Beethoven, Haydn, Weber, Vivaldi e Mozart têm em comum com o serial killer Jack Unterweger? Tudo será revelado neste espetáculo, onde o célebre ator John Malkovich leva o público a uma viagem através da vida e mente deste famoso escritor, mulherengo e assassino."

Ao ler na carta o nome John Malkovich, lembro-me um minidoc, feito pela CNN, que citava o lançamento da peça "The Infernal Comedy" em Vienna, Austria, no ano passado e o mesmo aproveitava para mostrar um pouco mais deste artista que está a parte de todos os atores de telões que você já assistiu. Ao ver o nome da peça e o local senti uma alegria (e orgulho) em poder assisti-lo no "quintal de casa"; No lindo Theatro Mvnicipal de São Paulo.

Nota Rápida: O especial da CNN pode ser assistido aqui (p1), aqui (p2) e aqui (p3).

O que, não conhece ainda?

"The Infernal Comedy" originalmente é uma peça teatral criada para uma orquestra barroca, dois sopranos e um ator. É baseada na história real de Jack Unterweger, um assassino condenado por várias mortes. Enquanto preso, escreveu sobre sua vida e foi aclamado por público e crítica, tendo extrapolado os limites de sua cela. Em 1984, sua autobiografia se tornou um bestseller. Imagine o quanto as palavras Beethoven, Haydn, Weber, Vivaldi, Mozart, John Malkovich e Jack Unterweger ecoaram no meu cerebelo instigando o meu ânimo para assistir a esse espetáculo único

A justiça, convencida de que ele era um homem recuperado e reformado, fez dele uma pessoa livre. Jack tornou-se uma espécie de celebridade no meio literário, participando de talk shows regularmente. Durante o período de liberdade, passou a ser suspeito do desaparecimento e estrangulamento de prostitutas, em Viena, Praga e Los Angeles. Após fugir do FBI, foi preso em 1992 e, dois anos depois, condenado por nove homicídios. Ele suicidou-se durante o cumprimento da pena.

Jack Unterweger é interpretado com primor por John Malkovich, um dos mais importantes atores americanos. Além de ter atuado em mais de 70 filmes, Malkovich dirige e também produz longas-metragens. Entre seus principais filmes, destacam-se “O Império do Sol”, “Con Air”, “Quero Ser John Malkovich” e o recente “Queime depois de ler”.

The Infernal Comedy
John Malkovich
Laura Aikin e Aleksandra Zamojska, sopranos
Orquestra Wiener Akademie
Regente: Martin Haselbock
Escrito e dirigido por Michael Sturminger

Um pequeno teaser do espetáculo aqui:





Dica rápida: Quem também tiver curiosidades e estomago, recomendo ambos os livros de Ilana Casoy, que detalha alguns dos principais assassinos em série que este mundo e esta país já presenciou.

Assim que assistir a peça, prometo atualizar por aqui e falar minhas impressões.

Até a próxima, seres pensantes.